Economia

Comércio garante saldo positivo de emprego em novembro


Segundo dados do Ministério do Trabalho, o setor registrou a criação de 88.587 postos no mês


  Por Estadão Conteúdo 20 de Dezembro de 2018 às 18:13

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O mercado de trabalho brasileiro criou 58.664 empregos com carteira assinada em novembro, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira, 20/12, pelo Ministério do Trabalho.

Esse é o melhor resultado para o mês desde 2010, quando foram gerados 138.247 empregos na série sem ajuste.

O mês de novembro é o 11º seguido com criação de empregos formais, de acordo com a série histórica com ajuste sazonal.

No acumulado de janeiro a novembro, o Caged registra criação de 858.415 empregos formais na série com ajuste sazonal. Nos 12 meses até novembro, o Ministério do Trabalho registra a criação de 517.733 empregos com carteira assinada. 

COMÉRCIO

O crescimento do emprego em ritmo superior ao esperado pelos economistas foi liderado pelo comércio em novembro.

Dados do Ministério do Trabalho indicam que o comércio registrou a criação de 88.587 empregos, seguido pelos serviços, que elevaram o número de trabalhadores com carteira assinada em 34.319 vagas.

Dos oito grandes setores da economia acompanhados pelo Caged, apenas dois - comércio e serviços - geraram empregos formais no mês passado. 

Entre os demais setores, a indústria de transformação perdeu 24 287 empregos formais, a agropecuária fechou 23.692 postos e a construção civil destruiu 13.854 empregos com carteira.

O Caged também informou que a administração pública registrou 1.122 empregos fechados, o segmento de extração mineral teve 744 vagas encerradas e os serviços industriais de utilidade pública encerraram 543 empregos no mês passado.

INTERMITENTE

Quase 8 mil vagas de trabalho intermitente foram criadas no mês passado. Dados do Caged indicam que novembro terminou com a criação líquida de 7.849 empregos com contrato intermitente e abertura de outras 1.734 vagas pelo sistema de jornada parcial. As duas novas modalidades foram criadas pela reforma trabalhista

De acordo com os dados do Ministério do Trabalho, o emprego intermitente registrou criação total de 10.446 postos ao mesmo tempo em que houve fechamento de 2.597 vagas. Por setor, os serviços lideraram com folga no mês e registraram saldo positivo de 2.765 empregos intermitentes. Em seguida, aparecem o comércio (2.722 empregos), construção civil (1.552 empregos) e a indústria da transformação (774 empregos).

Já as contratações de trabalhadores em regime de tempo parcial tiveram saldo positivo de 1.734, gerado pelas 5.498 contratações totais e 3.764 desligamentos. Os maiores saldos foram registrados em São Paulo (414 vagas), Ceará (306) e Pernambuco (258). 

O Caged informou ainda que houve 13.532 desligamentos por acordo no mês de novembro.

 

IMAGEM: Thinkstock