Economia

Atividade econômica no Sudeste recua 0,6% no trimestre encerrado em maio


Foi a menor queda registrada na comparação com as demais regiões do país, segundo Boletim Regional do Banco Central (BC). Para a instituição, a paralisação dos caminhoneiros prejudicou a economia no período


  Por Estadão Conteúdo 17 de Agosto de 2018 às 10:42

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A atividade econômica da região Sudeste cedeu 0,6% no trimestre encerrado em maio, ante o trimestre finalizado em fevereiro, quando havia subido 0,1% na mesma base de comparação. A informação é do Boletim Regional do Banco Central (BC), divulgado nesta sexta-feira, 17/08, em Curitiba.

De acordo com o Banco Central, "o aumento do comércio, acima da média nacional, e as reduções na produção da indústria e na atividade do setor de serviços em magnitudes menores do que as assinaladas para o País implicaram retração menos intensa da atividade, no período analisado".

O BC pontuou ainda que o consumo das famílias "segue liderando o processo de retomada, em parte impactado pelo incremento nas operações de crédito às pessoas físicas e pelo crescimento da massa salarial".

SUL

Na região Sul, a atividade econômica recuou 1,5% no trimestre encerrado em maio ante o trimestre finalizado em fevereiro, quando havia subido 0,1%.

De acordo com o BC, "a paralisação no setor de transporte de cargas afetou negativamente, mas de forma transitória, a atividade na Região Sul". "O IBCR-S variou -2,6% em maio, após crescimento de 1,7% em abril. O movimento na margem interrompe tendência de recuperação da economia regional delineada, sobretudo, no setor industrial".

No entanto, conforme o BC, "o cenário prospectivo para a economia do Sul contempla a absorção dos efeitos da paralisação dos transportes de cargas, com reversão da alta na inflação observada no período, recomposição da oferta em junho e continuidade da retomada gradual da atividade nos meses seguintes".

CENTRO-OESTE

A atividade econômica da região Centro-Oeste cedeu 0,7% no trimestre encerrado em maio, ante o trimestre finalizado em fevereiro, quando havia cedido 0,6%. 

No documento, o BC pontuou que "a atividade econômica no Centro-Oeste, após o impulso gerado pela safra recorde de 2017, registrou ritmo de expansão mais moderado, contrastando com o comportamento observado no País".

"Em maio, a paralisação no setor de transporte rodoviário de carga impactou principalmente as indústrias de alimentos, produtos químicos e de veículos, além dos serviços de transporte. No agregado, entretanto, os efeitos da paralisação na região foram menores que os estimados na atividade nacional", acrescentou a instituição no documento.

NORTE

Na região Norte, a atividade econômica recuou 1,6%. De acordo com o BC, "o crescimento da atividade nos últimos cinco trimestres foi interrompido pelo impacto negativo da paralisação do setor de transporte de cargas". "Observou-se crescimento das vendas do comércio, em parte, pela antecipação de compras em razão do temor de desabastecimento, e comportamento benigno no mercado de trabalho, com geração de mais postos de trabalho formais em comparação aos anos anteriores."

Conforme o BC, apesar de a greve dos caminhoneiros ter impactado negativamente a economia do Norte do País, "mantêm-se as perspectivas de continuidade da retomada econômica na região".

NORDESTE

A atividade econômica da região Nordeste caiu 2,3% no trimestre encerrado em maio, ante o trimestre finalizado em fevereiro.

Segundo o BC, "a economia do Nordeste tem apresentado recuperação mais moderada, com oscilações nos principais indicadores, evidenciando menor consistência do crescimento comparativamente ao observado em âmbito nacional".

"A paralisação do transporte de carga refletiu negativamente, porém com efeitos transitórios, na indústria local e em outros segmentos importantes", acrescentou o BC no documento. Para a instituição, a elevação da confiança dos consumidores e o crescimento da produção agrícola vão contribuir para a retomada da atividade nos próximos meses.

O BC divulga o Boletim Regional na cidade de Curitiba, Paraná. No documento, a análise da atividade nas regiões leva em conta os dados até maio deste ano. Na última quarta-feira (15), porém, o BC já havia divulgado seu Índice de Atividade (IBC-Br) de junho, que indicou recuperação firme da atividade após a greve dos caminhoneiros, que afetou a economia em especial no mês de maio. O IBC-Br de junho subiu 3,29% ante maio, na série ajustada. No segundo trimestre do ano, considerando todo o Brasil, houve recuo de 0,99% da atividade.

 

IMAGEM: Thinkstock