Zé Dirceu conta sua história

Quem tiver uma visão de Brasil e de mundo diferente não vai mudar um milímetro em suas convicções. Pode ler sem medo

Aristóteles Drummond
26/Set/2018
  • btn-whatsapp
Zé Dirceu conta sua história

Está nas livrarias o primeiro volume das memórias de José Dirceu, com uma das mais ricas carreiras  de nossa vida pública. Uma leitura importante para quem quer conhecer a visão de um revolucionário de mais de 40 anos de presença  nacional.

A narrativa mostra sua militância desde o movimento estudantil, a adesão à luta armada, a troca da liberação do embaixador americano pela soltura de presos políticos, a vida em Cuba, a volta  da clandestinidade, a retomada de sua identidade com a anistia, a construção do PT, a eleição para deputado e as candidaturas e os governos de Lula e Dilma.

O livro é rico em citações de companheiros de jornada, de conceitos políticos, de política interna e externa, de economia. Tudo numa sequência de muita coerência.

Mesmo discordando integralmente de sua linha de pensamento, e ação, no meu entender ultrapassado e pré-queda do muro de Berlim, não há como se negar uma vida dedicada ao que acredita. E, na narrativa, é a própria história contemporânea, sob uma visão tão parcial quanto sincera.

O Brasil que se deseja democrático precisa conhecer os fatos, as versões e avaliar as experiências, para poder julgar. Mesmo cometendo erros, já alvos de processos judiciais, o que move os homens públicos por vocação, como José Dirceu, são suas convicções, às quais sempre foi fiel e, por tal, merece respeito.

Em nenhum momento renega o apreço e admiração por Fidel Castro e a solidariedade ao ex-presidente Lula. Justifica a luta armada e não concede nenhum reconhecimento aos brasileiros que passaram pelo poder no período militar.

Curiosamente, bate pouco nos militares, falando mal dos governos em geral. Bate mesmo, e duro, em FHC e, inexplicavelmente em Fernando Gabeira. Fora do PT, cujas memórias se confundem com a do próprio partido, Dirceu elogia Montoro, Brizola e Itamar. E revela com naturalidade sua filiação ao PCB e o bom convívio com os comunistas. O Foro de São Paulo é exaltado como a inserção do PT nos movimentos internacionais de esquerda.

Conta a história de um radical que sabe fazer política, assume posições e envolve toda uma geração de militantes, louvando ou criticando. Por vezes, deixa-se levar por conceitos fantasiosos, como a suposta interferência dos EUA no movimento de 64 e nas políticas econômicas de FHC.

Quem tiver uma visão de Brasil e de mundo diferente não vai mudar um milímetro em suas convicções. Pode ler sem medo. E mais: querendo saber o pensamento de um grupo que chegou a dominar o país por quase 12 anos e a fazer a cabeça de parte da população, é leitura recomendável. Se esta ascensão do PT teve três grandes cabeças, Zé Dirceu foi uma delas!

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

FOTO: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas