Vice pede credibilidade e coerência

Muitos usam de políticos com passado e sem futuro para sinalização ideológica diferente

Aristóteles Drummond
20/Jul/2022
  • btn-whatsapp

Nas democracias republicanas criadas à imagem e semelhança da dos Estados Unidos, existe com relevância nas alianças político-partidárias as figuras do vice-presidente, vice-governador e, na mesma linha, a de suplente de senador.

Na nossa América Latina, no pós-guerra, começou-se a esboçar a prática lamentável do nepotismo, que já era normal na virada do século. O primeiro caso explícito foi quando o General Juan Domingos Peron fez da mulher, Isabelita, que nem era argentina, sua vice.

No Brasil, tem sido comum os senadores terem filhos ou cônjuges, até pai ou mãe, como suplentes, sem a menor reação da sociedade, que por vezes parece tão atenta à ética.

Na história republicana, os vices sempre tiveram um forte significado partidário ou geopolítico e vices representando partidos, ou regiões do país por exemplo. E muitos assumiram, como Floriano Peixoto, Delfim Moreira, Nilo Peçanha, Café Filho, Jango Goulart, José Sarney - este então pelo mandato inteiro - Itamar Franco e Michel Temer. Por particularidades do momento que o país vivia, no combate ao terrorismo, Pedro Aleixo, importante político mineiro, não assumiu quando do impedimento e morte do presidente Costa e Silva.

Os presidentes militares Castelo Branco, Costa e Silva e João Figueiredo homenagearam a classe política tendo como vices mineiros da importância e representatividade de José Maria Alkmin, Pedro Aleixo e Aureliano Chaves. As circunstâncias do momento fizeram vices o Almirante Augusto Rademaker - com inquestionável liderança na Marinha do Brasil - e o General Adalberto.

Muitos vices assumiram com sucesso em estados, como Osanan Coelho e Hélio Garcia, em Minas, Laudo Natel, em São Paulo, e agora Cláudio Castro, no Rio. E senadores suplentes de relevo, desde Mozart Lago, no Rio, no impedimento de Adhemar de Barros, em 51, a Pedro Piva, em São Paulo, com o titular Ministro de Estado no governo FHC.  Aliás, FHC chegou ao Senado como suplente de Franco Montoro. Mesmo sem assumirem, foram suplentes relevantes na vida nacional: Miguel Lins, Vitorino Freire, no Maranhão, João Pedro Gouvêa Vieira de Vasconcelos Torres, no Rio; Jair Negrão de Lima de Itamar Franco, em Minas.

Agora muitos usam de políticos com passado e sem futuro para sinalização ideológica diferente, como os casos dos esquerdistas Lula com Geraldo Alckmin e Freixo com César Maia, no Rio. Não agrega votos e desmoraliza a chapa.

Esta eleição tem de ser bem observada nos detalhes. Este é um deles. Escolhas pelo parentesco ou cupincharia, sem base na militância política. Afinal, estamos numa República.

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 

 

 

Matérias relacionadas

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas