Vendas diretas caem 2,2% no 1º semestre

O volume encolheu em mais de R$ 400 milhões na comparação anual, ficando em R$ 19 bilhões, de acordo com dados da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas

Estadão Conteúdo
19/Set/2016
  • btn-whatsapp
Vendas diretas caem 2,2% no 1º semestre

O canal de vendas diretas registrou queda de 2,2% no volume de negócios no primeiro semestre de 2016 na comparação com igual período do ano passado.

O volume encolheu em mais de R$ 400 milhões na comparação anual, ficando em R$ 19 bilhões, de acordo com dados da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD).

A ABEVD reportou ainda estabilidade no número de profissionais autônomos do setor, que se manteve no patamar de 4,3 milhões de pessoas.

LEIA MAIS: Venda direta é opção ao desemprego

O setor de venda direta é caracterizado por companhias que comercializam produtos por meio de revendedores porta a porta, caso de marcas como Natura e Avon.

Mesmo com o recuo no volume de negócios, a ABEVD considerou que os dados ainda indicam que as vendas diretas se mantêm resistentes mesmo num cenário macroeconômico desafiador.

De acordo com a entidade, o desempenho tem apresentado tendência de melhora. Considerando apenas o mês de junho, o volume de negócios cresceu 1,6% ante igual mês de 2015.

Foto: Reprodução do site/Natura 

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas