Um olhar mais estratégico nas finanças das empresas

Focadas no planejamento financeiro a médio e longo prazo, companhias deixam passar possíveis brechas nas despesas de curto prazo Um olhar mais estratégico nas finanças das empresas

Marcelo Ferraz
29/Abr/2022
  • btn-whatsapp
 Um olhar mais estratégico nas finanças das empresas

A cena é tradicional nas companhias brasileiras: durante os meses de novembro e dezembro, realizam-se as reuniões para a previsão orçamentária das diversas áreas para o decorrer do próximo ano.

No entanto, as perdas financeiras provocadas pela pandemia da Covid-19 têm gerado um “efeito onda” nas finanças com um impacto que perdura inclusive e principalmente no cenário atual. Ignorando isso, agora no primeiro quadrimestre do ano, diversos negócios amargam perdas de orçamento para projetos estratégicos e até mesmo manutenção de equipes fundamentais.

É importante lembrar que, a partir de 2020, vivemos num cenário totalmente atípico. A visão geral do planejamento a médio-longo prazo não consegue mais garantir a perenidade da verba de projetos. As perdas financeiras com a Covid-19 também impactaram diversas despesas periféricas, normalmente não detectadas “a olho nu”.

Por isso, a importância cada vez maior de colocar uma lupa nas despesas de curto prazo. Elas não são mais meramente operacionais: elas são estratégicas.

A gestão das contas de curto prazo identifica, de forma imediata, os excedentes e déficits, o que permite avaliar a melhor maneira de distribuí-los ou cobri-los.

O “efeito onda” criado pelas perdas financeiras da Covid-19 não se mostra em meses: ele se mostra no hoje. Por isso, a gestão do fluxo de caixa tem cada vez mais perdido seu aspecto meramente operacional, de dia a dia, para ganhar contornos estratégicos na gestão contábil das companhias.

Não é à toa que investimentos em tecnologia se consolidaram como prioridade para os CFOs (Chief Financial Officer) com a pandemia da Covid-19, diante da necessidade deum maior foco na segurança, compliance e risco, e de tomada rápida de decisões.

Segundo a pesquisa "2021 CFO Peer Insights: Digital Transformation and IT Spending Priorities", da Rimini Street, 80% dos executivos de finanças colocaram a transformação digital na lista das cinco prioridades da corporação.

Na avaliação de 95% dos CFOs, aliás, os investimentos em tecnologia são vitais para a recuperação dos negócios diante da crise provocada pela pandemia.

O levantamento ouviu 1.572 executivos e líderes financeiros, de empresas com pelo menos US$ 200 milhões em receita anual, em 13 países, incluindo Estados Unidos, Brasil, Alemanha e Japão.

No caso da contabilidade, ganha força o uso de plataformas de gestão de desempenho corporativo (CPM), que podem dar uma previsibilidade financeira de curto, médio e longo prazo, oferecendo aos profissionais das áreas financeiras uma administração assertiva e precisa dos recursos da empresa, sem pontos cegos.

Entre as principais funcionalidades estão: automatização de demonstrações financeiras; análise de
inconsistências; planejamento/modelagem de cenários e riscos; consolidação contábil; reportes financeiros; revisão de dados e criação de dashboards de monitoramentos dos indicadores-chave da empresa.

Essas ferramentas permitem elaborar as demonstrações gerenciais necessárias para as análises que auxiliam as empresas a atingirem seus objetivos financeiros. Diante da necessidade de uma resposta rápida aos impactos causados pela pandemia, uma das vantagens das plataformas tecnológicas é a geração de relatórios de demonstrações financeiras em apenas segundos ao automatizar processos manuais.

Observamos que tem sido recorrente a suspensão de projetos e até mesmo cortes de equipes por falta de visão de curto-médio prazo das verbas provisionadas nas companhias. O acompanhamento dos fluxos de curto prazo evita esse tipo de surpresa e ajuda a fazer o elo com a previsão orçamentária de longo prazo.

Portanto, investir em tecnologias que cumpram esse papel não significa apenas dar agilidade a processos. É também ir além do simples reporte operacional e transformar de fato a gestão contábil em um recurso estratégico valioso para a manutenção e a expansão dos negócios.

FOTO: Freepik

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Abr
Mai
Jun
IGP-M
1,1466
1,1072
1,1070
IGP-DI
1,1353
1,1056
--
IPCA
1,1213
1,1173
--
IPC-Fipe
1,1226
1,1227
1,1169

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
-2,1%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
1,5%
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas