Um futuro para o Estado

Não existe uma crise do Estado, mas sim uma crise no Estado que é o descrédito da política

Sérgio Paulo Muniz Costa
03/Jan/2019
  • btn-whatsapp
Um futuro para o Estado

É comum às democracias modernas, particularmente nos regimes presidencialistas, o início de um governo atrair grande atenção da sociedade.

Mais do que midiático, o fenômeno expressa a importância que atribuímos à administração do Estado pelo poder Executivo.  

Mesmo quando estamos fartos da interferência do Estado em nossas vidas é para ele que nos voltamos, principalmente através das eleições, para colocar-lhe limites.  Afinal, como ensinou Hayek, não é a fonte de poder, mas a limitação do poder que impede que ele seja arbitrário.

O Estado continua necessário e atual como nunca, inexistindo qualquer crise de sua legitimidade. O que acontece na maioria das democracias é uma crescente exigência da sociedade pelo melhor funcionamento do Estado, o que depende da política.

Trocando em miúdos, não existe uma crise do Estado, mas sim uma crise no Estado que é o descrédito da política.

Muitas razões podem ser apontadas para essa crise da política ao redor do mundo, como corrupção, falta de representatividade e quebra da solidariedade nacional, as mais visíveis dentre outras.

Mas não pode se esquecido o que vem ocorrendo tanto nas democracias mais avançadas como nos países em desenvolvimento que é a extrapolação da ação política.

Sendo o parlamento o local por excelência da ação política, não é difícil entender a perda de prestígio, credibilidade e legitimidade que sofre quando não consegue estabelecer e perseguir objetivos comuns.

Sobre isso também alertou Hayek, apontando o que acontece quando a democracia dá início a uma linha de planejamento cuja execução exige um consenso muito maior do que na realidade existe. Precisamente no que o protossocialismo da socialdemocracia insistiu durante décadas e agora está desmoronando por toda parte.

O futuro do Estado passa por essa questão, a do resgate da política.

Mais do que a sua regeneração, a política precisa se recolocar dentro dos limites do possível, como tal percebido pela sociedade.

FOTO: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

 

 

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas