Sucesso da moda online é ameaçado pelo excesso de devoluções

Falta de padronização do vestuário e indecisão do consumidor afetam a lucratividade de um setor em alta

Estadão Conteúdo
02/Jun/2015
  • btn-whatsapp
Sucesso da moda online é ameaçado pelo excesso de devoluções

Mesmo sendo um dos setores que têm se mantido resistente à crise, o e-commerce de moda enfrenta o desafio do excessivo volume de devoluções, aponta o diretor-executivo Pedro Guasti do e-bit e presidente do conselho de comércio eletrônico da FecomercioSP. 

De acordo com o executivo, a falta de padronização no setor de moda é o principal motivo para o elevado volume de trocas e devoluções de compras feitas pela internet. Essas operações custam quatro vezes o valor de entrega e afetam as margens do setor. 
Em média, segundo o executivo, a devolução chega a 1% das entregas e as trocas ficam por volta de 5%.

Apesar das inovações tecnológicas, explicou Guasti, as pessoas ainda fazem aquisições online sem conhecer totalmente o produto. 
Por isso, as empresa precisam adotar a logística inteligente para operações de entregas, trocas e devoluções. A análise foi apresentada durante o 2º Fórum Negócios da Moda, realizado em São Paulo.

De acordo com dados do e-bit, a categoria de moda e acessórios responde por 5,87% do volume financeiro total de e-commmerce no Brasil, mas se encontra na primeira colocação em termos de volume de pedidos feitos pela internet, com cerca de 15% do geral. Para o executivo, as operações online e offline estão cada vez mais próximas, criando uma grande rede integrada de varejo. 

TESTE DE COMPETITIVIDADE

Representante do varejo físico no evento, o presidente da Renner, José Galló, afirmou que a recessão vivida pelo Brasil está expondo o comércio a um teste de teste de competitividade, após anos de forte desenvolvimento econômico. 

JOSÉ GALLÓ, PRESIDENTE DA RENNER, NO 2º FÓRUM NEGÓCIOS DA MODA. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO CONTEÚDO

Para o executivo, para sobreviver, as companhias de qualquer porte precisam buscar um diferencial competitivo. E hoje, afirmou, o diferencial "significa fazer que o consumidor quer e gosta", o que nem sempre é o que a empresa deseja. A falta dessa aproximação gera problemas financeiros, que acabam desviando a atenção das companhias do que é primordial. 

Galló citou como exemplo de alinhamento com o consumidor a tendência do fast fashion praticado pelas marcas Zara e Forever 21. "Estamos trabalhando pesado para seguir para esse tipo de comércio. Entramos na era da velocidade. O velho tenta adivinhar o desejo do consumidor, enquanto o novo varejo dá ao consumidor o que ele quer", acrescentou. 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas