Sequestros de dados crescem e empresas não têm plano de ação

Com a segurança virtual precária, a única alternativa para muitas companhias é pagar resgates para que dados criptografados em ataques do tipo ransomware sejam liberados

Agência EY
09/Mar/2022
  • btn-whatsapp
Sequestros de dados crescem e empresas não têm plano de ação

A pressão para promover uma transformação digital rápida nas empresas, principalmente durante a pandemia de covid-19, levou COOs (diretores de operações) a ignorar processos de segurança cibernética especialmente em um momento em que os ataques estão em ascensão.

Os criminosos estão aproveitando as lacunas de segurança entre pessoas, tecnologia e processos. O ransomware - um tipo de ataque virtual no qual um computador, quando infectado, tem seus dados criptografados, impedindo que eles possam ser acessados por seus proprietários - tem sido o método preferido.

De acordo com a pesquisa EY Global Information Security Survey 2021, realizada com 1.010 organizações globais, 81% dos executivos pesquisados dizem que a pandemia os forçou a contornar os processos de segurança cibernética. Ao mesmo tempo, 77% dos entrevistados afirmam ter visto um aumento no número de ataques entre os meses de março de 2020 e março de 2021.

“Os COOs evitam ou ignoram completamente a equipe de segurança cibernética. E os invasores cibernéticos sabem disso. Com os ataques de ransomware em ascensão, é hora de COOs e CISOs (diretores de segurança de informação) mudarem suas perspectivas em relação à segurança cibernética e fortalecerem seu relacionamento para combater um inimigo comum”, afirma Josh Axelrod, líder em segurança cibernética e privacidade da consultoria EY nos Estados Unidos.

De acordo com Axelrod, a primeira regra na criação de operações eficazes contra o ransomware é presumir que a empresa será atacada. Não é uma questão de “se” e sim “quando”.

Além disso, ter detecção e resposta em vigor é fundamental para interromper e prevenir ataques. “Se a empresa não tem uma política ou processos para agir, deve começar agora. Testar os processos de resposta e determinar qual é sua política para pagar ou não pagar. As organizações tendem a ser binárias ao tomar essa decisão”, explica.

Como um incidente de ransomware não é um evento reportável na maioria das jurisdições, há poucas estatísticas sobre quantas organizações pagam resgate, embora isso esteja mudando.

Alguns países como a Austrália e os EUA estão introduzindo ou decretando legislação que torna obrigatória a denúncia se os resgates forem pagos. “Curiosamente, com base em nossa experiência com clientes, descobrimos que a maioria das organizações paga porque, em muitos casos, é mais barato pagar do que recuperar”, conta o líder em segurança.

No entanto, pagar não é garantia de que uma organização vai recuperar totalmente seus dados ou que o ataque será um evento único. Muitas vezes, os criminosos criptografam os sistemas em segmentos, exigindo que a empresa pague por chaves individuais que desbloqueiam cada um desses segmentos.

“Os COOs e CISOs podem testar a política desenvolvida para entender os riscos e as compensações da decisão de pagar ou não pagar, quem são as partes interessadas, qual será o processo, quem terá autoridade para tomar a decisão de pagar e em que momento a organização terá que divulgar o ataque.”

A Security by Design, em que a segurança é incorporada ao processo de design para cada nova iniciativa de tecnologia, é uma das melhores maneiras de proteger a empresa contra ataques cibernéticos em geral e ataques de ransomware especificamente, segundo Axelrod.

O ideal é incorporar um membro da equipe de segurança cibernética em projetos de tecnologia desde o início, com a função de fornecer orientação sobre a arquitetura e os controles de segurança durante todo o ciclo de vida do projeto.

“Trabalhando juntos, COOs e CISOs podem fortalecer as relações entre as unidades de negócios e a função de segurança cibernética. Assim, desenvolver um plano coeso de detecção e resposta para proteção que leve as operações de uma organização de cientes de resgate a resilientes a resgates”, finaliza.

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Abr
Mai
Jun
IGP-M
1,1466
1,1072
1,1070
IGP-DI
1,1353
1,1056
--
IPCA
1,1213
1,1173
--
IPC-Fipe
1,1226
1,1227
--

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
-2,1%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
1,5%
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas