São Paulo vai crescer

‘A cidade de São Paulo foi a primeira no Brasil a criar uma Secretaria de Mudanças Climáticas, exatamente para que o tema esteja na preocupação de todas as demais unidades estatais de responsabilidade do Município’

José Renato Nalini
11/Mar/2024
Secretário-Executivo das Mudanças Climáticas de São Paulo
  • btn-whatsapp
São Paulo vai crescer

Muitos paulistanos ainda não sabem que sua cidade vai crescer em qualidade ambiental. O Prefeito Ricardo Nunes assinou declarações de utilidade pública de uma área equivalente a onze por cento do território da megalópole. São trinta e duas áreas, num total de cento e sessenta e cinco quilômetros quadrados.

Impressionante a dimensão dessa providência: são quase dezessete mil hectares, superiores a todo o perímetro de Paris e seus arredores. Nela, caberiam quase dezesseis mil campos de futebol. Houve exauriente e minucioso trabalho de detecção de glebas ainda providas de verde, os resíduos da Mata Atlântica ainda não totalmente eliminados pelo crescimento desordenado desta conurbação instigante que é a capital paulista.

Agora, seguir-se-á na identificação dos proprietários, que serão contactados e não se exclui a possibilidade de um acordo entre a Municipalidade e os titulares dominiais. Se isso não for possível, a expropriação garantirá à Prefeitura imediata imissão na posse, pois o interesse público se sobrepõe ao interesse particular. E haja interesse público na preservação de remanescentes da exuberante cobertura vegetal quase toda dilapidada ao longo dos cinco séculos da chegada do colonizador. Um investimento que poderá ultrapassar os setecentos e vinte e seis milhões de reais.

Antes desses trinta e dois atos de declaração de utilidade pública, outros onze já haviam sido publicados. O benefício é para as atuais e futuras gerações. Estas ainda sofrerão os desastrosos impactos da mudança climática, gerada pela insensatez no uso dos recursos naturais. Efeitos que eram anunciados para daqui a um século, mas que já estão ocorrendo e com intensidade surpreendente.

A cidade de São Paulo foi a primeira no Brasil a criar uma Secretaria de Mudanças Climáticas, exatamente para que o tema esteja na preocupação de todas as demais unidades estatais de responsabilidade do Município. Mais ainda, pretende-se conscientizar a iniciativa privada, a Universidade, a Academia, a sociedade civil, a mídia e todas as pessoas. A gravidade do tema não permite que qualquer pessoa se sinta excluída em relação à sua responsabilidade quanto à possível mitigação dos prejuízos advenientes dos fenômenos extremos. 

O grande vilão é o carbono, portanto a descarbonização já passou da fase de urgência. Mas também é preciso cuidar da excessiva produção de resíduos sólidos, que são geradores de quase dez por cento dos gases venenosos causadores do efeito-estufa. 

A ampliação de áreas verdes garante não só o aumento dos sumidouros de gás carbônico, essa a função das árvores, mas também a atenuação da temperatura, a redução das “ilhas de calor”, a ressurreição de córregos e de cursos d’água e aumento de longevidade e da qualidade de vida para toda a população. 

Pensar o que cada um pode fazer quanto ao enfrentamento das mutações do clima é um ato responsável e de cidadania, a que ninguém pode estar subtraído. Vamos encarar juntos aquilo que a maior cidade do Brasil pode fazer em relação ao seu futuro.

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 

IMAGEM: Patrícia Cruz/DC

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas