Rebaixamento pode ter acordado governo para "arrumar a casa"

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico piorou a projeção de queda da atividade econômica no Brasil, de um recuo de 0,8% para um tombo de 2,8% em 2015

Estadão Conteúdo
16/Set/2015
  • btn-whatsapp
Rebaixamento pode ter acordado governo para "arrumar a casa"

A situação externa é a principal razão para o pessimismo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com o Brasil. Grande exportador de matérias-primas, o país sofre com a desaceleração da China a queda das commodities. 

A OCDE piorou significativamente as previsões para a atividade econômica no Brasil. Agora, a entidade está mais pessimista que os economistas ouvidos semanalmente pelo Banco Central. Para 2015, a expectativa de recessão foi aprofundada de queda de 0,8% no cenário previsto em junho para a previsão atual de recuo de 2,8%.

A recessão deve continuar no próximo ano. Até junho, a OCDE mantinha a previsão otimista de que o Brasil poderia crescer 1,1%. Três meses depois, diante da deterioração do quadro, a Organização agora aposta em contração do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil de 0,7% no próximo ano.

A avaliação é que problemas internos que vão da situação fiscal à incerteza política consolidam o ambiente negativo, diz a economista-chefe da OCDE, Catherine Mann. 

Por isso, ela defende que o governo "arrume a casa" para retomar o crescimento econômico.

"O Brasil é um país que tem sofrido duplamente com o cenário externo. Essa é a principal razão para a nossa significativa redução das previsões desde junho", disse Catherine Mann em entrevista para divulgar a atualização do cenário econômico da entidade. 

A economista explica que o impacto duplo é gerado primeiro pela desaceleração da China, o que reduz a demanda por exportações brasileiras. O segundo reflexo do mesmo problema é sentido através da queda do preço das matérias-primas vendidas pelo Brasil, como o minério de ferro e a soja.

A economista-chefe da OCDE ressalta que o Brasil sofre deterioração acentuada porque também enfrenta ambiente interno desfavorável. "Não são apenas as commodities e o quadro externo. Há problemas internos. Há deterioração da posição fiscal, alguma turbulência no mercado relacionada à Petrobras e incerteza política", enumerou.

Diante desse quadro, ela lembrou que a agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixou a nota do Brasil para grau especulativo na semana passada. 

Para Catherine Mann, a surpresa com o rebaixamento pode "ter acordado" o governo para o problema.

"Colocar a casa em ordem com uma política fiscal sustentável é elemento chave", disse, ao comentar que também reconhece a importância dos programas sociais executados pelo governo brasileiro.

Em estudo apresentado nesta quarta-feira (16/09) a OCDE aprofundou a expectativa de recessão brasileira em 2015 de -0,8% no cenário previsto em junho para -2,8%.

Para 2016, a expectativa passou de crescimento de 1,1% para contração 0,7%. 

A deterioração vista no número brasileiro para 2015, disse a economista da entidade, foi a mais pronunciada entre as grandes economias com estimativas publicadas no relatório da Organização.

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas