Público volta aos shoppings, enquanto lojas de rua perdem clientes

Os shoppings viram o fluxo aumentar 15% em 2021, ante 2020, mas as lojas que operam na rua registraram queda de 8%. Os dados são de pesquisa da SBVC em parceria com a HiPartners Capital & Work

Estadão Conteúdo
16/Dez/2021
  • btn-whatsapp
Público volta aos shoppings, enquanto lojas de rua perdem clientes

O fluxo de consumidores no varejo brasileiro manteve a tendência de crescimento na comparação mensal em novembro de 2021, mas na comparação anual, as lojas de rua perdem público. É o que mostra o levantamento do IPV - Índice de Performance do Varejo, organizado pelo venture capital HiPartners Capital & Work em parceria com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

As lojas físicas tiveram aumento de 15% no fluxo de visitas na comparação com outubro. Os shopping centers, por sua vez, cresceram 9%. As lojas localizadas em ruas receberam 14% mais visitas no levantamento mensal, enquanto os estabelecimentos situados nos shoppings avançaram 23%.

No comparativo anual, os shopping centers permanecem com movimento positivo: 15% em relação a novembro de 2020 - no acumulado do ano, a alta também é de 15%. Já as lojas físicas caíram 16% na análise, com acumulado de 2021 em queda de 8%.

Os resultados estão associados à menor quantidade de visitas principalmente em lojas situadas na rua, cuja variação foi de -18% no período, ante uma queda de 1% em lojas que atuam dentro de shopping centers.

VENDAS

O Índice de Vendas, por sua vez, mostrou crescimento tanto na comparação anual quanto na mensal. Em relação a outubro de 2021, a quantidade de cupons, ou seja, o número de vendas, cresceu 14% para as lojas situadas em shopping centers e 16% para lojas localizadas na rua.

O faturamento também teve performance ascendente nos dois tipos de estabelecimento, registrando alta de 12% e 20%, respectivamente.

Já no comparativo com novembro de 2020, a quantidade de cupons teve crescimento de 19% em lojas localizadas nos shopping centers e 9% nas lojas em ruas. O faturamento subiu 26% e 7%, respectivamente.

Na Black Friday, o fluxo de visitantes registrado no período de compras em 2021 não foi superior ao de 2020 e segue abaixo do indicador de 2019, antes da pandemia de covid-19. Em relação à última sexta-feira de novembro, os shopping centers tiveram alta de 3,4% no comparativo com o ano passado e queda de 46,7% em 2019. As lojas físicas caíram 22,8% em relação a 2020 e 60% a 2019.

As vendas da última sexta-feira de novembro seguiram o mesmo padrão do fluxo de visitantes. Em relação a 2020, houve crescimento de 6% no faturamento e de 2% na quantidade de cupons. Já no comparativo com 2019, a queda é de 16% no volume financeiro e de 27% no total de pedidos.

Em relação à semana inteira, o faturamento cresceu 1% no ano passado e 2% há dois anos. Já o total de cupons caiu 2% (2020) e 8% (2019).

 

IMAGEM: Rovena Rosa/Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas