Projeção de expansão do crédito em 2024 sobe de 8,8% para 9,3%

Segundo a Febraban, para pessoas jurídicas, a previsão de alta saiu de 8,3% para 8,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Para pessoas físicas, subiu de 10,3% para 10,7%

Estadão Conteúdo
27/Mai/2024
  • btn-whatsapp

Os bancos brasileiros aumentaram de 8,8% para 9,3% a projeção de crescimento para a carteira de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) neste ano. A projeção está na edição de maio da Pesquisa de Economia Bancária e Expectativas feita pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). As respostas foram colhidas entre os dias 15 e 21 deste mês.

A expectativa de crescimento foi influenciada pela carteira de recursos direcionados. A expectativa de crescimento saiu de 9,9% na pesquisa de março para 10,2% na rodada de maio.

Na carteira para pessoas jurídicas, a projeção de alta saiu de 8,3% para 8,8% em relação ao mesmo período do ano passado, enquanto na carteira direcionada para pessoas físicas, subiu de 10,3% para 10,7%.

Na carteira livre, a projeção de alta ficou praticamente estável, em 8,6%. A carteira livre para empresas deve crescer 7,5% neste ano, enquanto as operações com recursos livres para pessoas físicas devem ter expansão de 9,5% neste ano.

O diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da Febraban, Rubens Sardenberg, afirma que a melhora nas projeções reflete os dados relativamente positivos da economia no início do ano. "Contudo, nota-se que esta melhora foi concentrada nas carteiras com recursos direcionados, mais sensíveis às políticas públicas", diz ele, em nota. "Por outro lado, o desempenho esperado para o crédito livre ficou relativamente estável, provavelmente num sinal de cautela em relação à piora recente do ambiente econômico."

A projeção de alta da carteira de crédito em 2025 ficou estável entre março e maio, em 8,9%. Os bancos esperam que o crédito direcionado continue a liderar a alta no ano que vem, com crescimento de 9,2%, enquanto a carteira livre deve apresentar crescimento de 8,7%.

Em ambos os casos, as carteiras de pessoas físicas devem mostrar os melhores desempenhos. Para este ano, os bancos reduziram de 4,5% para 4,4% a projeção para a inadimplência da carteira livre, considerados os atrasos acima de 90 dias. No ano que vem, espera-se uma queda de 0,3 ponto porcentual no indicador, para 4,1%, o que indica a expectativa de melhoria da qualidade de crédito.

JUROS

A Febraban capturou ainda as expectativas dos bancos quanto à taxa Selic no final do ano. Após o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduzir de 0,5 ponto porcentual para 0,25 ponto o ritmo de corte dos juros, 33,3% dos bancos esperam que os juros encerrem o ano em 10,25% ao ano, o que indica apenas mais um corte nas próximas reuniões.

Outros 33,3% esperam a Selic a 10%, com dois cortes. Uma fatia minoritária, de 27,8%, espera a Selic abaixo de 10%, enquanto 5,6% dos bancos esperam que o Copom não faça mais cortes, o que manteria os juros em 10,50% ao ano.

Para 44% dos bancos, o motivo mais importante para que as expectativas de inflação não estejam ancoradas é a percepção do compromisso do BC com o cumprimento da meta de inflação ao longo dos anos.

Para o PIB, 38,9% dos bancos esperam crescimento próximo ao consenso de mercado para este ano, de alta de 2,1%. Há viés de alta: 33,3% das instituições esperam um crescimento acima do consenso.

A pesquisa é feita a cada 45 dias, logo após a divulgação da ata da reunião do Copom.

 

IMAGEM: Freepik

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas