Primeiro de abril: teste para o leitor

Convenhamos que certas manchetes são tão impossíveis que até pareceriam coisas do "dia da mentira"

Paulo Saab
01/Abr/2015
  • btn-whatsapp

A coluna abaixo, entre aspas, foi publicada no Diário do Comércio de São Paulo de 1 de abril de 2013. Dois anos depois, leitor, desafio-o (a) para um teste.

Compare o que foi mencionado então, com a realidade atual e me responda apontando se houve alguma mudança e quais foram. Aponte novas manchetes de 1º de abril, se quiser. De “castigo” você receberá um exemplar de meu livro “Cidadania Já”.

- “Seria muito bom se as notícias na imprensa fossem as seguintes:

- Governo reduz ministérios: agora são só dez.

- Justiça acelera processos e põe em dia pendências de anos.

- Estão na cadeia os criminosos do “mensalão”.

- Inflação não passa de 3 por cento ao ano.

- Juros caem e economia cresce.

- Diminui de forma acentuada a violência no país.

- Estádios ficarão prontos antes do previsto para a Copa das Confederações e do Mundo.

- Não há mais filas de espera em hospitais e pronto-socorros, para atendimento.

- Equipamentos modernos e médicos satisfeitos elevam padrão da saúde pública no país.

- Estradas federais asfaltadas e em bom estado de conservação em todo o país.

- Portos escoam produção agrícola recorde sem filas de espera.

- Nova malha ferroviária diminui custo Brasil nos transportes.

- Políticos e empresários corruptos são julgados e presos.

- Seleção brasileira tem forte time para copas, sem politicagem.

- Acabou a corrupção no futebol, na política e nas obras públicas.

- Brasil não tem mais analfabetos. Todas as crianças estão na escola.

- A qualidade de ensino e IDH no Brasil passa a do Canadá;

- Fim dos conflitos no Oriente médio – predomina tolerância e paz em todas as nações;

- Os governos representam a vontade do povo;

- O PT é vencido nas eleições em âmbito estadual e municipal em todas as capitais brasileiras e no governo federal;

- No Brasil, quatro partidos políticos sobrevivem à moralização de contribuição
em campanhas;

- O poder público fará prestação de contas à população.

- Os eleitores responderão pelos desvios e crimes administrativos, e políticos de seus representantes;

- A votação em todas as câmaras será feita por voto verbal e publicada em site específico para conhecimento público do desempenho e posições dos representantes do povo.

- A propaganda de governo é proibida em todas as mídias;

- O patrocínio governamental é proibido em todas as atividades que envolvam lucro.

- O benefício dos aposentados por tempo de serviço é de 10 salários mínimos

- Classe média recebe estímulos fiscais para recuperar poder de compra.

- Educação pública equipara-se a particular em qualidade e carga horária

- Universidades públicas não trabalham mais com cotas e disputa público/privada está acirrada no vestibular.

- Políticas públicas eficientes melhoram o transporte coletivo e trânsito diminui 40%.

- Reforma judiciária é responsável por aumento na eficiência de condenações sem espera para julgamentos.

- Cidade limpa é reflexo do sucesso de campanhas educativas eficientes.

São manchetes que eu gostaria de ver. Há muitas outras, mas o espaço é pequeno.

Pena que é primeiro de abril.

Claro que assumo, até porque faço isso toda coluna, a responsabilidade pelo que penso. E a Constituição, para tristeza de muitos, me garante esse direito.

De pensar e externar minha opinião livremente. Viu, turma da patrulha?”

 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas