Preços de alimentos recuam; os de saúde e cuidados pessoais avançam

A alta de 0,10% registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) em março foi a menor taxa para o mês desde o ano 2000

Estadão Conteúdo
23/Mar/2018
  • btn-whatsapp
Preços de alimentos recuam; os de saúde e cuidados pessoais avançam

A alta de 0,10% registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) em março foi a menor taxa para o mês desde o ano 2000, quando a inflação foi de 0,09%.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (23/03), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa acumulada em doze meses recuou de 2,86% em fevereiro para 2,80% em março, o resultado mais baixo desde novembro do ano passado, quando estava em 2,77%.

Dois entre nove grupos registraram reduções de preços no índice de março, segundo o IBGE. O grupo Alimentação e bebidas teve recuo de 0,07%, enquanto as despesas com Comunicação diminuíram 0,19%.

A queda no grupo Comunicação foi puxada pelo item telefone fixo, que caiu 0,94%, em função de uma redução nas tarifas das ligações locais e interurbanas de fixo para móvel, em vigor desde 25 de fevereiro.

Na direção oposta, o grupo Saúde e cuidados pessoais cresceu 0,54% em março, a maior variação e também o impacto mais elevados entre os grupos pesquisados.

As demais altas ocorreram em Artigos de residência, 0,09%; Transportes, 0,07%; Despesas pessoais, 0,12%; Educação, 0,25%; e Habitação, 0,13%.

No grupo habitação, a energia elétrica ficou 0,24% mais cara em março. O gás encanado subiu 0,47%, mas o gás de botijão recuou 0,25% no mês. O grupo Vestuário não registrou variação de preços no mês (0,0%).

Grupos

Os gastos com Alimentação e bebidas recuaram 0,07% em março, após um aumento de 0,13% em fevereiro. O grupo ajudou a conter em 0,02 ponto percentual a taxa de 0,10% registrada pelo IPCA-15. O custo da alimentação no domicílio diminuiu 0,29% em março.

Vários itens importantes no orçamento das famílias ficaram mais baratos, como as carnes (-0,66%) e o tomate (-5,00%). A alimentação fora de casa, porém, subiu 0,31% no mês.

Os gastos das famílias com Transportes subiram 0,07% em março, após um aumento de 1,11% em fevereiro. A tarifa de ônibus urbano aumentou 1,30%, devido a reajustes ocorridos em Fortaleza, Rio de Janeiro, Belém, Porto Alegre e Goiânia.

Por outro lado, as passagens aéreas ficaram 15,33% mais baratas, item de maior impacto negativo no IPCA-15 do mês, uma contribuição de -0,06 ponto porcentual para a taxa de inflação e 0,10% registrada em março.

Quanto aos combustíveis, a gasolina subiu 0,20%, enquanto o etanol aumentou 0,67%.

O aumento no custo do plano de saúde respondeu por 40% de toda a inflação registrada em março, segundo os dados do IPCA-15 divulgados pelo IBGE. A alta de 1,06% no plano de saúde resultou no item de maior impacto individual no IPCA-15, uma pressão de 0,04 ponto porcentual sobre a taxa de inflação de 0,10% registrada em março.

Como consequência, o grupo Saúde e cuidados pessoais teve a maior variação no mês, uma elevação de 0,54%, o equivalente a uma contribuição de 0,07 ponto porcentual para a inflação, a mais elevada entre os grupos pesquisados.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas