Pequenos negócios podem ter dificuldades para quitar empréstimos

As parcelas do crédito obtido via Pronampe têm juros pós-fixados pela Selic, taxa que deve continuar a ser elevada ao longo deste ano

Redação DC
22/Mar/2022
  • btn-whatsapp
Pequenos negócios podem ter dificuldades para quitar empréstimos

Os aumentos sucessivos da taxa básica de juros, a Selic, têm elevado o custo do crédito para as micro e pequenas empresas, justamente no momento em que os empreendedores mais precisam de apoio financeiro para superar os efeitos da pandemia nos negócios.

Um levantamento do Sebrae aponta que em março de 2021, quando a Selic estava em 2% ao ano, a taxa média de juros das operações de crédito para os pequenos negócios girava em torno de 26,5% ao ano.

Em dezembro de 2021, já com a Selic em 9,25%, segundo os últimos dados disponibilizados pelo Bacen, a taxa média nas operações de crédito para os pequenos negócios subiu a 31,1% ao ano, isto é, alta de 4,6 pontos percentuais em relação a março.

Hoje, a taxa básica de juros está em 11,75% e o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central já sinalizou nova alta de um ponto percentual para maio, ou seja, a Selic vai chegar em 12,75% ao ano. A tendência é que o custo do crédito na ponta acompanhe essa elevação.

Segundo o analista de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae Giovanni Beviláqua, além de elevar o custo do crédito, a variação da Selic desencadeia um menor apetite do mercado financeiro por realizar novos financiamentos para os pequenos negócios.

“Com uma Selic alta, as instituições financeiras assumem maiores riscos emprestando para empresas, sobretudo para as de menor porte, que têm de potencial maior de inadimplência”, avalia.

PRESTAÇÕES DO PRONAMPE FICAM MAIS PESADAS

Para as micro e pequenas empresas que obtiveram em 2020 e 2021 o crédito com garantias do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), a situação também requer cuidados, uma vez que as taxas de juros do programa são pós-fixadas pela Selic.

“Logo, as prestações dos empréstimos se tornam maiores e mesmo aquelas que possam estar ainda em período de carência terão seus saldos devedores reajustados segundo uma Selic maior”, diz Beviláqua.

CAUTELA

Neste momento, o Sebrae recomenda que os empreendedores tenham atenção redobrada com a gestão financeira dos negócios.

“É hora de colocar as contas na ponta do lápis, conhecendo bem a estrutura dos custos e do fluxo de caixa para que possam tomar as melhores decisões para o negócio e identificar onde podem atuar de forma a equilibrar seu caixa, principalmente se existe a real necessidade de recursos externos, como o crédito bancário”, sugere o analista do Sebrae.

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Abr
Mai
Jun
IGP-M
1,1466
1,1072
1,1070
IGP-DI
1,1353
1,1056
--
IPCA
1,1213
1,1173
--
IPC-Fipe
1,1226
1,1227
--

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
1,5%
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas