Pequenos negócios devem fechar 2018 com mais empregos

Com o preenchimento de mais de 70 mil vagas em agosto, o setor deve criar 600 mil postos de trabalho, o melhor resultado dos últimos três anos

Agência Sebrae
26/Set/2018
  • btn-whatsapp
Pequenos negócios devem fechar 2018 com mais empregos

Pelo oitavo mês consecutivo, os pequenos negócios foram os responsáveis pela geração do maior número de empregos no país. Em agosto deste ano, as micro e pequenas empresas registraram saldo de 70,8 mil vagas, o que representou 64% do total dos postos preenchidos no país com carteira assinada.

As médias e grandes empresas, por sua vez, geraram 39,2 mil empregos. Com o acumulado nestes oito meses do ano, que é de 475,6 mil empregos gerados, os pequenos negócios devem fechar 2018 com um saldo entre 550 mil e 600 mil empregos, o maior dos últimos três anos.

Os números de agosto equivalem a mais que o dobro do registrado em julho. Em comparação com agosto do ano passado, o saldo é quase 50% maior.

 “O resultado do Caged só confirma, mês a mês, o que dizemos todos os dias", afirmou Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae. "A micro e pequena empresa é grande mola propulsora da economia brasileira"

De acordo com Afif, o fato reforça a importância do Simples Nacional para apoiar os pequenos empresários a enfrentarem a crise e continuarem inovando e gerando empregos.

Segundo a pesquisa feita pelo Sebrae, com informações do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), mais uma vez as micro e pequenas empresas do setor de Serviços puxaram a geração de vagas; foram 44,2 mil postos de trabalho em agosto deste ano.

As corporações deste setor que atuam no ramo imobiliário foram o destaque, com a criação de 15,2 mil vagas e no de Ensino, 10,7 mil postos. O Comércio criou 15,4 mil empregos e a Construção Civil, 12,5 mil.

Os pequenos negócios do estado de São Paulo lideraram a geração de empregos em agosto de 2018, com a criação de 24,1 mil postos de trabalho.

Com isso, a região Sudeste foi a que mais empregou em agosto, respondendo pela criação de 26,7 mil empregos, apesar dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo terem registrado saldos negativos. O Nordeste, com 15,4 mil vagas preenchidas, ficou na segunda colocação.

No acumulado deste ano até agosto, as micro e pequenas empresas do setor de Serviços lideram o ranking dos empregos no país, com a criação de 286,2 mil novos postos de trabalho, 60% do total de vagas geradas nesse período.

A Construção Civil também tem se destacado com a admissão de 80 mil pessoas, nos oito primeiros meses de 2018.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas