Pensando em demitir? Saiba como conter os custos com funcionários

Leis permitem que a empresa reduza salários, jornada de trabalho e até suspenda temporariamente o contrato de trabalho durante tempos difíceis na economia

Italo Rufino
05/Ago/2015
  • btn-whatsapp
Pensando em demitir? Saiba como conter os custos com funcionários

No dia 7 de julho, o Governo Federal publicou no Diário Oficial da União a medida provisória que cria o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). A proposta, em discussão no Congresso, visa a proteção de cerca de 50 mil empregos em meio à crise.

O projeto possibilita que a empresa reduza salários e jornadas de trabalho – o que diminuiria os custos e adequaria a produção a menor demanda do mercado. Embora as empresas já possam requerer adesão ao programa, o Legislativo ainda precisa validar a proposta. 

Mas empresas que enfrentam dificuldades devido à crise econômica podem recorrer a outras medidas já reguladas pela Lei. 

“São alternativas para as empresas que já esgotaram todas as maneiras de evitar demissões, como férias coletivas e gasto de banco de horas”, afirma João Bertolucci, advogado especialista em direito do trabalho do escritório Bertolucci & Ramos Gonçalves. 

Conheça cada uma delas e entenda as semelhanças e diferenças: 

AFASTAMENTO PARA REQUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Estabelecido pelo artigo 476 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o lay-off determina que o contrato de trabalho pode ser suspenso por um período de dois a cinco meses para o trabalhador participar de um curso ou programa de qualificação profissional, que deve ser oferecido pela empresa. 

BARONIAN, ADVOGADO: CONTRATO DE TRABALHO PODE SER SUSPENSO PARA TRABALHADOR ESTUDAR (Foto: divulgação)

“Nesse período, o trabalhador não recebe salário, mas sim uma bolsa-auxílio paga pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)”, afirma Roberto Baronian, advogado sócio do escritório Granadeiro Guimarães.

O valor da bolsa é baseado nas regras do Seguro Desemprego – conforme o salário, o empregado pode receber entre R$ 978,21 a R$ 1.385,91.

O sindicato dos trabalhadores pode exigir que a empresa pague a diferença entre o valor da bolsa e o salário real do empregado. A entidade também pode pedir um prazo de estabilidade de emprego. Por exemplo, o trabalhador só poderá ser demitido seis meses após o término do lay-off.

Ao aderir ao programa, o empregado precisa comprovar frequência mínima de 75% no curso. Ele também não pode ter outra fonte de renda. Caso descumpra alguma das condições, ele corre o risco de perder a bolsa. 

Uma vez qualificado, o empregado volta a trabalhar normalmente. O programa pode ser repetido a cada 16 meses. 

Como a bolsa não tem natureza salarial, o empregador não precisa recolher contribuições trabalhistas. No entanto, ele deve manter os benefícios, como plano de saúde. Essa modalidade foi adotada recentemente pelas montadoras General Motors e Mercedes-Benz.

LEIA MAIS: Metalúrgicos da Grande SP já perderam este ano 9% dos empregos

REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIO 

Outra interpretação de lay-off vem de uma lei federal de 1965. Nesse caso, a empresa pode reduzir a jornada de trabalho e o salário do funcionário em até 25% – tendo o salário minimo como piso – num prazo entre três e seis meses. 

BERTOLUCCI, ADVOGADO TRABALHISTA: REDUÇÃO DE SALÁRIO DIMINUI CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS (Foto: divulgação)

“A redução salarial e de carga horária automaticamente reduz a incidência de contribuições sociais que a empresa precisa pagar ao governo”, afirma Bertolucci.

Durante o período de jornada reduzida, o trabalhador só poderá ser demitido por justa causa. Findado o programa, o trabalhador poderá ser demitido normalmente.

No entanto, durante seis meses, a empresa só poderá contratar outros empregados caso os antigos funcionários não manifestarem interesse na readmissão num prazo de oito dias. 

VEJA TAMBÉM: A recessão se agrava com cortes de vagas no comércio e nos serviços

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 

A medida é similar à lei de 1965. Entre as diferenças, está a de que a redução de jornada e salário pode ser de até 30%, num prazo de até 12 meses. 

Outra diferença é que o FAT pagará 50% da parcela reduzida do salário – limitada a 65% do seguro desemprego – o equivalente a R$ 900,84. Ou seja, se o empregado tiver uma redução de R$ 1 000 reais, o FAT pagará R$ 500. 

“Porém, o valor pago pelo FAT entra na base de cálculo das contribuições previdenciárias e do recolhimento do FGTS”, afirma Baronian. 

Há também a questão da estabilidade. O empregado que aderir ao PPE só poderá ser demitido por justa causa. Após o término do programa, ele terá estabilidade num prazo de um terço do tempo que permaneceu no programa – caso tenha ficado 12 meses, só poderá ser demitido sem justa causa após quatro meses. Nesse período, o salário e a jornada deverão ser restabelecidos. 

As empresas terão até o dia 31 de dezembro para aderir ao PPE. Mas há resalvas. “Por ainda não estar totalmente regulamentado, o programa oferece uma entrada para as empresas, mas não uma saída clara e definitiva”, afirma Bertolucci. 

FÁBRICA DA GM: 798 TRABALHADORES EM LAY-OFF (Foto: Estadão Conteúdo)

LEIA MAIS: 35 mil estão em férias coletivas na Zona Franca de Manaus

PRIMEIROS PASSOS PARA ADOTAR AS MEDIDAS 

Ao optar por uma das medidas, o empreendedor precisa procurar o sindicato de sua categoria para elaborar um acordo coletivo, que definirá os prazos, condições e trabalhadores que serão convidados à adesão. O documento deverá ser ratificado em assembleia coletiva de empregados. Em determinados casos, também é necessário comunicar o Ministério do Trabalho.  

Durante todo o processo é recomendado que a empresa seja transparente com os funcionários. “O empregador deve comunicar os motivos e as expectativas com o programa”, afirma Baronian. “Isso pode diminuir a sensação de medo, evitando perda de produtividade e engajamento.”

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas