Peça icônica do poeta e dramaturgo Artur Azevedo no Teatro Eva Herz

O espetáculo 'Amor por Anexins' é repleto de jogos de palavras e ditados populares, sempre buscando reflexões bem humorada sobre o amor, o dinheiro e o casamento por conveniência

Redação DC
15/Jul/2022
  • btn-whatsapp
Peça icônica do poeta e dramaturgo Artur Azevedo no Teatro Eva Herz

Comédia “Amor por Anexins”, de Artur Azevedo, conta a história de conquista e interesses a partir do desejo de um senhor em casar-se com uma jovem e bela viúva.

O autor tinha sincera vocação para a alegria e via na comédia de costumes o melhor caminho para a dramaturgia nacional. Gostava de escrever algo que reproduzisse a verdade e a vida, que possuísse exposição, catástrofe e desenlace, que divertisse e ao mesmo tempo sensibilizasse.

O texto trata com humor questões de interesses no amor, trazendo um inusitado jogo de linguagem e saberes coletivos dos anexins que são evocados a “toda prova” na construção da história.

> Até 21 de agosto, (sex, 20h / sáb,18h e 20h / dom, 18h), no Teatro Eva Herz - Avenida Paulista, 2.073 - Bela Vista; ingressos: sexta, R$ 70 / sábado e domingo, R$ 80, pelo Sympla; classificação: 12 anos.

 

TEATRO

A Lista

Em “A Lista”, Lilia Cabral interpreta Laurita, uma aposentada que, por força das circunstâncias, se vê obrigada a estabelecer contato com a vizinha, a jovem Amanda, vivida por Giulia Bertolli. O encontro das duas detona um turbilhão de sentimentos, lembranças e descobertas que marcarão suas vidas para sempre.

> Até 28 de agosto (sextas e sábados, às 20 horas, e aos domingos, às 18 horas), no Teatro Vivo - Avenida Dr. Chucri Zaidan, 2460; ingresso: R$ 100, pelo Sympla; classificação: 12 anos.

 

TEATRO

Jardim de Inverno

Bianca Bin e Fabrício Pietro estão em "Jardim de Inverno", espetáculo adaptado do romance “Revolutionary Road” (1961), que originou o filme Foi Apenas Um Sonho (2008), e ilumina questões como o sufocamento dos desejos, o peso do conformismo, o desperdício das potências individuais em prol de uma “vida ideal” ditada por papéis sociais rígidos.

April e Frank são jovens, bonitos e com seus dois filhos formam a família perfeita do idílico subúrbio americano dos anos 50. Mas, na verdade, se sentem reprimidos e aprisionados nessa realidade. Então April propõe um plano que irá colocar à prova seus limites.

> Sexta e sábado, às 20h, domingo às 18h, no Teatro FAAP - Rua Alagoas, 903 – Higienópolis; ingresso: R$ 40 (meia) e R$ 80 (inteira), pelo site do Teatro Faap; classificação: 14 anos; direção: Marco Antônio Pâmio.

 

STAND-UP

#Parisileiro

Show de stand-up com o Paul Cabannes, o francesinho debochado do TikTok. Suas curiosas observações sobre as diferenças culturais e de comportamento entre brasileiros e franceses diverte muito e o fizeram ganhar milhões de seguidores nas redes sociais.

> De 5 a 26 de julho (terças), às 20h, no Tearo Eva Herz - Avenida Paulista, 2.073 - Bela Vista; ingresso: R$ 80, pelo Sympla; classificação: Livre.

 

STAND-UP

Alto-Biografia Não Autorizada

Após 11 anos ininterruptos com seu primeiro solo premiado de stand-up chamado “Putz Grill...”, com mais de um milhão de espectadores, Oscar Filho estreou seu segundo espetáculo chamado “Alto-Biografia Não Autorizada”, baseado no livro, quase homônimo, Autobiografia não Autorizada, de 2014.

Não espere nenhum ensinamento sobre a vida. O show trata apenas das desventuras do humorista desde seu nascimento na cidade de Atibaia até o dia em que a pandemia forçou o término da temporada com apenas uma apresentação em 2020.

Com narração marcante de Cid Moreira e o intrigante significado da palavra “Aserehe ra de re de hebe tu de hebere seibiunouba mahabi an de bugui an de buididipi”, imortalizado na música Ragatanga do grupo Rouge, o espetáculo promete o mesmo sucesso de seu antecessor.

> De 9 a 30 de julho (sábados), às 23h, no Teatro MorumbiShopping - Avenida Roque Petroni Júnior, 1089; ingresso: R$ 60, pelo Sympla; classificação: 12 anos.

 

TEATRO

Aleluia: Um Estouro de Mulher

Quem não conhece uma mulher que se divide em mil para dar conta da família e dos afazeres domésticos e esquece de se priorizar? Em Aleluia: Um Estouro de Mulher, o ator Eduardo Martini encara com graça e competência uma personagem tipicamente brasileira: a mãe de família, que se sacrifica pelo marido e pelos filhos, que faz de tudo para manter a casa em ordem e que acaba deixando de lado os próprios sonhos.

Aleluia casou-se com o primeiro namorado, tem uma filha adolescente que não valoriza seu esforço para manter a família unida e feliz e cuida da sogra Matusalém, uma senhora com idade indefinida entre os 100 e a morte.

Quando Ding Dong, um astro aposentado do universo pornográfico, se muda para a vila onde mora Aleluia, a dona de casa desenvolve uma paixão platônica pelo vizinho e redescobre o prazer de viver. Encorajada pela melhor amiga, a desbocada Mamute, Aleluia passa acreditar que é só uma questão de tempo até que ela e Ding Dong vivam um tórrido romance.

Na noite de Natal, quando acredita que Ding Dong e ela ficarão juntos, um fato inesperado vem à tona e, Aleluia, num mix de revolta, mágoa e decepção, acaba explodindo o fogão enquanto prepara a ceia, o que a leva para uma delegacia.

Entre confissões inusitadas sobre a vida conjugal e reflexões bem-humoradas sobre problemas familiares, Aleluia: Um Estouro de Mulher é um retrato tragicômico sobre uma figura que merece ser mais valorizada pela sociedade: a mãe de família que se dedica a cuidar do lar.

> De 19 de junho a 31 de julho, às 19H (domingo), no Teatro União Cultural - Rua Mario Amaral, 209 - Paraíso; ingresso: Inteira, R$ 80 e meia, R$ 40. Compras pelo Symplaclassificação: 12 anos; direção: Viviane Alfano

 

TEATRO

A Golondrina

Voltou aos palcos de São Paulo a montagem dirigida por Gabriel Fontes Paiva para o texto “A Golondrina”, de Guillem Clua, que trata da insensatez humana, mas também da capacidade de sentir a dor dos outros.

O texto é inspirado no ataque terrorista ao Bar Pulse, que aconteceu em Orlando (EUA), em junho de 2016. A peça é estrelada por Tania Bondezan, que também assina a tradução e ganhou o Prêmio Shell 2019 por este papel, e Luciano Andrey.

> De 3 de junho a 31 de julho (sexta e sábado, às 21h, e domingo, às 19h), no Teatro Fernando Torres - Rua Padre Estevão Pernet, 588; ingresso: R$ 80, pelo Sympla; classificação: 14 anos.

 

TEATRO

A Alma Imora

A atriz e dramaturga Clarice Niskier leva à cena sua adaptação teatral do livro “A Alma Imoral”, de Nilton Bonder. A obra nos faz refletir sobre o certo e o errado, a obediência e a desobediência, a tradição e a transgressão, a hipocrisia e a honestidade, além de aproximar temas como religião e biologia.

> De 1 de junho até 28 de julho (qua e qui, às 20h), no Tearo Eva Herz - Avenida Paulista, 2.073; ingressos: R$ 90, pelo Sympla; classificação: 18 anos; direção: Amir Haddad.

 

TEATRO

O Filho da Mãe

A peça busca na comédia e na sátira do estereótipo das mães uma forma de abordar temas como paixão, carinho e relações familiares. A história se passa em um apartamento e gira em torno da convivência de uma mãe divorciada com seu filho. A trama mostra de forma bem-humorada os conflitos e dramas nas mais diversas situações vividas entre Valentina (Eduardo Martini) e Fernando (Guilherme Chelucci).

Enquanto Valentina é uma publicitária bem-sucedida profissionalmente, mas completamente desmiolada e apaixonada pelo filho, Fernando é um recém-formado roteirista, que está indo para Nova York estudar cinema contra a vontade da mãe.

Diferente de peças que apostam na ordem cronológica, “O Filho da Mãe” não possui um enredo linear. Em quatro momentos diferentes, o texto joga com flashbacks que mostram essa relação de mãe e filho, revelando acontecimentos passados da vida dos dois.

> De 17 de junho a 29 de julho (sex, às 21h), no Teatro União Cultural - rua Mário Amaral 209 – Paraíso; ingresso: R$ 80, pelo Sympla; classificação: 10 anos; direção: Eduardo Martini.

 

TEATRO

Jussara City - O Paraíso das Enchentes

De volta ao Brasil para uma série de debates sobre a questão climática global, uma renomada ambientalista brasileira, depois de muitos anos morando no exterior, visita o bairro onde nasceu, na periferia de São Paulo. Em uma viagem lúdica através das memórias de sua infância, resgata a história do bairro e a luta dos moradores, sempre às voltas com a tragédia das enchentes que anualmente os atormenta.

> Sábados, às 20h30, no Espaço Cultural Encena - Rua Sargento Estanislau Custódio, 130 - Butantã; ingresso: Gratuito. classificação: livre; direção: Orias Elias e Walter Lins