Para Pazzianotto, reforma trabalhista vai demorar para maturar

"O que não podemos é recusar a reforma", disse o ex-ministro do Trabalho no 5º Fórum de Desenvolvimento e Competitividade da Distrital Sudoeste da ACSP, ao recomendar aos empresários que busquem assistência jurídica

Wladimir Miranda
24/Out/2017
  • btn-whatsapp
Para Pazzianotto, reforma trabalhista vai demorar para maturar

 A reforma trabalhista, que entrará em vigor daqui a duas semanas, no dia 11 de novembro, vem sofrendo críticas de juízes, procuradores e sindicatos. Os magistrados ameaçaram até ignorar pontos da nova legislação que considerarem inconstitucionais.

Diante desse cenário nebuloso, há justificado receio no setor do comércio em relação à contratação de funcionários em regime  temporário para as festas de fim de ano.

“Se está na lei é porque é permitido", disse Pazzianotto. "A lei do trabalho temporário é de 1974. Acho que vai demorar uns cinco anos para que as pessoas se adaptem à reforma trabalhista. O que não podemos é recusar a reforma".

Ex-ministro do Trabalho (1985-1988) no governo de José Sarney, ele recomenda aos empresários que estudem a lei e busquem assistência jurídica.

Pazzianotto foi um dos palestrantes do 5º Fórum de Desenvolvimento e Competitividade Empresarial, promovido pela Distrital Sudoeste da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), nesta segunda-feira (23/10), realizado no Salão Social do São Paulo Futebol Clube, no Morumbi.

O evento, que contou com a participação de mais de 400 pessoas, foi organizado por Ricardo Granja, diretor superintendente da distrital Sudoeste, e presidido por Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

“Não deveriam ter mexido na lei do trabalho temporário. Na verdade, quiseram regulamentar o bico”, disse o ex-ministro.

O que na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) antiga era chamado de trabalho temporário, ganhou a denominação de trabalho intermitente na nova legislação.

Pazzianotto explica que trabalho intermitente pressupõe um contrato de trabalho. “Ele não é temporário, é intermitente. É uma destas distinções que a lei criou artificialmente", afirmou.

Diante de uma plateia formada por empreendedores e advogados, Pazzianotto falou sobre as origens da CLT, que começou a vigorar em 1º de maio de 1943, sancionada pelo presidente Getúlio Vargas, durante o período do Estado Novo.

Vargas se notabilizou por ser um legislador, mas o ex-ministro lembrou que no período o Congresso Nacional não funcionava.

Pazzianoto ressaltou que a CLT antecedeu a existência da classe trabalhadora. A CLT é anterior ao operariado.

“Em discurso feito em 1º de maio de 1952, no Rio de Janeiro, quando Vargas havia voltado ao poder pelo voto direto, ele próprio  disse que o Brasil foi o único país do mundo em que a legislação trabalhista não nasceu da aspiração da classe trabalhadora, mas como manifestação da bondade, do compromisso que assumiu quando chegou à suprema magistratura da nação”, recordou o ex-Ministro.

SEGURANÇA

Em sua palestra, Granja, discorreu sobre a falta de segurança na região Sudoeste.

“Não aguentamos mais arrastões com metralhadoras, roubos a comércios e residências com fuzis, sequestros relâmpagos, assaltos em pontos de ônibus e estações do metrô", afirmou. "Vivemos prisioneiros em nossas casas e nos locais de trabalho. Com este quadro caótico, o empreendedor está desmotivado, desanimado. Não produz e o funcionário não consegue trabalhar.”

Segundo Mágino Alves Barbosa Filho, secretário de Segurança , o Estado de São Paulo conta com o maior efetivo do país.

São 118.892 policiais militares e civis, com 12 comandos regionais da Polícia Militar, 12 diretorias regionais da Polícia Civil e 11 núcleos regionais da polícia científica. São 87.300 policiais militares, 28.314 civis e 3.278 policiais técnicos científicos.

“Vamos contratar mais", disse. "Temos policiais militares e civis em formação. Agora em novembro teremos mais concursos para a contratação de policiais civis e militares. São Paulo é o único estado do país que continua investindo em segurança pública.”

Também participaram do evento o escritor Eduardo Zugaib, Diógenes Lucca, comentarista de segurança na Rede Globo e Rádio CBN; João Jaouiche, diretor do Departamento de Segurança da FIESP;· Alexandre Chaves, diretor da C4i Inteligência Competitiva e Alfredo Firmino da Silva, consultor de negócios do Sebrae-SP.

Foto: Wladimir Miranda/Diário do Comércio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas