Pacheco barra MP que limita crédito de Pis/Cofins. Haddad volta à prancheta

Limitação do crédito seria uma alternativa do governo para compensar a desoneração da folha para 17 setores. Medida não foi bem recebida pelo setor produtivo

Redação DC
12/Jun/2024
  • btn-whatsapp
Pacheco barra MP que limita crédito de Pis/Cofins. Haddad volta à prancheta

*com informações da CACB

Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, anunciou na última terça-feira (11) a devolução de parte da medida provisória editada pelo governo para limitar o uso de créditos de PIS/Cofins. A proposta da MP era compensar o impacto da desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia e de municípios com até 156 mil habitantes.

Pacheco declarou que a decisão foi fundamentada na Constituição, para afirmar o papel do Poder Legislativo e trazer tranquilidade aos setores afetados. O governo não teria respeitado o prazo constitucional para realizar mudanças na tributação.

Os 17 setores alcançados atualmente são: confecção e vestuário, calçados, construção civil, call center, comunicação, empresas de construção e obras de infraestrutura, couro, fabricação de veículos e carroçarias, máquinas e equipamentos, proteína animal, têxtil, tecnologia da informação (TI), tecnologia de comunicação (TIC), projeto de circuitos integrados, transporte metroferroviário de passageiros, transporte rodoviário coletivo e transporte rodoviário de cargas.

Antes da decisão de Pacheco, o governo já cogitava alternativas à MP do PIS/Cofins, considerando inclusive a retirada para evitar a devolução. No entanto, Pacheco antecipou-se. A intenção do governo era construir um texto sem validade imediata, como seria o caso de um Projeto de Lei (PL), e ministros discutiram essa alternativa com representantes de entidades empresariais.

No entanto, a revelação por parte do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Antonio Alban, de uma conversa privada com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, gerou ainda mais desconforto no governo. Alban afirmou que Lula indicou a retirada da MP do processo, garantindo que a medida não seria mais discutida, e defendeu que o setor produtivo fosse ouvido nesse contexto.

A desoneração da folha, que substitui a contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha de salários por alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, reduz encargos trabalhistas dos setores desonerados e estimula a contratação. Tem sido prorrogada ao longo dos anos como forma de estimular a geração de empregos.

O Congresso Nacional havia estendido a medida até 2027, depois de Lula vetar o texto. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, propôs então uma reoneração gradual da folha, a partir do ano que vem, o que foi aprovado pelo STF neste mês de junho. As empresas voltarão a contribuir com a Previdência, com imposto de 5% sobre o total da remuneração dos funcionários até a alíquota atingir 20% em 2028.

Para Alfredo Cotait Neto, presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), a desoneração da folha para todos os setores é o caminho para gerar emprego e a renda, “garantindo o crescimento econômico do país”. Segundo ele, “é preciso desonerar a produção e o consumo, bem como simplificar os procedimentos de arrecadação, para aumentar a competitividade”.

O advogado tributarista e vice-presidente da CACB Anderson Trautman Cardoso também afirma que a desoneração da folha é medida que deve ser mantida para assegurar a geração de emprego e renda no país. “O Governo Federal deveria buscar alternativas de redução de despesas públicas e não surpreender o setor produtivo com medidas de aumento de carga tributária que retiram competitividade das empresas brasileiras”, completa.

A desoneração custará R$ 26,3 bilhões aos cofres públicos neste ano, já a limitação do Pis/Cofins poderá gerar até R$ 29,2 bilhões para os cofres do governo, segundo estimativas da Fazenda.

SEM PLANO ‘B’

Diante da ação de Pacheco, Haddad disse que a equipe econômica e o Congresso Nacional dividirão o ônus de encontrarem uma alternativa à Medida Provisória (MP) 1.227.

“Nós não temos um plano B. E estamos preocupados porque identificamos fraudes nas compensações de PIS/Cofins. Então, vamos ter de construir também uma alternativa para o combate às fraudes, essa seria uma saída, mas eu já estou conversando com alguns líderes para ver se a gente encontra um caminho”, disse Haddad a jornalistas na terça-feira.

 

IMAGEM: Marcelo Camargo/Agência Brasil 

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Os impactos da IA no mercado de trabalho