Onde você mora?

A tecnologia oferece a sensação de se poder estar em muitos lugares ao mesmo tempo. Será?

Ivone Zeger
24/Nov/2023
Advogada, consultora jurídica, palestrante e escritora.
  • btn-whatsapp
Onde você mora?

“Todo dia ela faz tudo sempre igual” é a frase inicial de Cotidiano, música de Chico Buarque ouvida por várias gerações de brasileiros. Sacudido às seis da manhã, o trabalhador acorda, recebe o sorriso da esposa e o café, vai trabalhar; seis da tarde volta, a esposa está no portão; ele ama, dorme, acorda…

É essa habitualidade a principal característica para definir o domicílio, instituto legal que pertence aos atributos da personalidade. O espaço ocupado por uma pessoa é um dos aspectos que norteiam a vida civil, assim como a saúde física e mental, a personalidade, o estado familiar ou individual etc. O artigo 70 do Código Civil diz que “o domicílio da pessoa natural é o lugar onde estabelece a residência com ânimo definitivo”, ou ainda, o lugar onde a pessoa reside com caráter de permanência, onde vive seu cotidiano. É o espaço político do cidadão, o lugar onde ele exerce seus direitos e deveres.

Domicílio é aonde chegam as correspondências e as contas para pagar; sendo que o endereço é informado em inumeráveis situações: na hora de preencher uma ficha de atendimento no hospital, na escola, no cartório, na delegacia, para inscrições em concursos e vagas para emprego, para matricular as crianças. O local de trabalho, onde as pessoas exercem suas atividades, também é seu domicílio. E o mais preponderante: o local de nascimento, a partir do qual se estabelece a nacionalidade. Mais do que um endereço, o domicílio é o espaço onde se deseja ficar por muito tempo, abrigando não só a pessoa ou a família, mas também seus projetos de vida.

A preocupação da lei em definir o instituto do domicílio se justifica, inclusive, pelos muitos processos judiciais que dependem dele. Por exemplo, para iniciar um processo sucessório de herança, é preciso o conhecimento do domicílio do falecido. A Lei de Introdução do Código Civil, em seu artigo 10, dá a dimensão dessa importância: “a sucessão por morte ou por ausência obedece à lei do país em que está domiciliado o falecido ou o desaparecido, qualquer que seja a natureza e a situação dos bens”. Ou seja, a sucessão de bens será aberta por meio das regras que a leis locais – do lugar onde morava o falecido – determinam. Assim, se o falecido era domiciliado na Itália, mesmo que todos os seus herdeiros estejam no Brasil, valerão as regras italianas.

O mesmo artigo, em seu inciso 2, retoma a questão do domicílio, dessa vez tendo em vista os herdeiros: “a lei do domicílio do herdeiro ou legatário regula a capacidade para suceder”. Então, seguindo o mesmo exemplo acima, os herdeiros de quem faleceu na Itália estarão sujeitos às regras brasileiras para suceder à herança, mesmo que estas sejam diferentes daquelas italianas. À primeira vista, parece que vai dar confusão, e eventualmente dá! Mas, é para isso que existem acordos bilaterais entre países, que acabam por auxiliar na regência das leis em eventuais contradições legais.

No Brasil, as leis que regulam as sucessões são as mesmas para todo o território, mas questões fiscais estaduais ou mesmo uma lei municipal podem interferir de maneiras diversas no processo sucessório.

Outra situação na qual sem um endereço a lei se torna inoperante: o juiz não tem como expedir uma declaração de ausência sem haver um domicílio de onde partiu quem hoje está ausente. Para habilitação ao casamento? É preciso determinar onde os casados vão morar. O domicílio ganha importância, ainda, nos processos de reconhecimento de união estável. A coabitação dos companheiros, que se comprova por meio de correspondências com o nome de um e de outro no mesmo endereço, tem peso significativo para a decisão do juiz. E mais: só o domicílio determina o local de votação do eleitor.

Obviamente, ninguém está impedido de ter mais do que uma residência. O artigo 71 do Código Civil indica que “se a pessoa tiver diversas residências, onde, alternadamente, viva, serão consideradas seu domicílio qualquer uma delas”. Ou seja, quem mora na cidade grande durante a semana e no campo aos finais de semana, pode declarar como sendo seu domicílio qualquer um dos lugares. Obviamente, ao declarar o endereço a pessoa leva em conta a praticidade, a relação entre o lugar e a atividade para a qual precisa identificar seu domicílio. Diferentemente de outros países, esse princípio de pluralidade domiciliar é reconhecido no Brasil desde o Código Civil anterior, de 1916. E é mais flexível, em consonância com a atualidade, na qual fronteiras e distâncias são vencidas com muita rapidez. Na França, na Itália, na Inglaterra e nos Estados Unidos, vigora o princípio da unidade de domicílio, ou seja, por lá, ao dar informação sobre o domicílio, esta deve ser sempre a mesma, exceto, claro, quando se muda de residência. Assim como no Brasil, ao mudar-se, deve-se alterar os dados juntos às instituições com as quais se tem atividades, como banco, administradora de cartões, escola, clubes etc. Um país europeu que acompanha o Brasil no que se refere ao conceito de multiplicidade de domicílio é a Alemanha.

Uma vez que as pessoas é que determinam onde querem morar e construir suas vidas, o domicílio tem caráter voluntário. Porém, determinadas pessoas têm o domicílio necessário ou legal. Isso significa que estão submetidas a regras específicas. De acordo com o artigo 76 C.Civil, essas pessoas são: “o incapaz, o servidor público, o militar, o marítimo e o preso”. Em seu parágrafo único, o mesmo artigo define quais são essas regras:

Menores de 16 anos são incapazes civilmente e devem ter o mesmo domicílio de seus representantes legais, que pode ser o dos pais, ou de alguém da família que detenha a guarda. Jovens entre 16 e 18 anos são “relativamente incapazes”, dependendo da situação; no que se refere ao domicílio, estes jovens devem ter o mesmo de seus assistentes, que pode ser os dos pais, tutor ou curador. Ainda são considerados incapazes civilmente aqueles que não têm discernimento para a prática dos atos civis por enfermidade ou deficiência mental ou mesmo aquelas pessoas que, por uma causa transitória, não podem exprimir sua vontade; estes também têm como domicílio o mesmo de seus assistentes ou representantes. Já as demais categorias, para além de suas residências propriamente, são domiciliadas em locais específicos: o servidor público tem como domicílio o local onde exerce permanentemente as suas funções; já o militar tem seu domicílio atrelado ao local onde serve. Se o militar for da Marinha ou da Aeronáutica, seu lugar no mundo será a sede do comando ao qual está subordinado. Quanto ao marítimo, mais popularmente chamado de marinheiro, sua casa é onde o navio estiver matriculado. E o domicílio do preso, após ser condenado, é o lugar onde ele cumpre sua pena de detenção.

É verdade que a atualidade se caracteriza por um tipo de vida muito diferente da imagem que sugere a música Cotidiano, e o ser humano, com a ajuda da tecnologia, parece poder estar em muitos lugares ao mesmo tempo. Mas mesmo assim não pode abrir mão de um lugar para retornar.

 

IMAGEM: Freepik

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas