O efeito Doria

O fenômeno político-eleitoral que o surgimento de João Doria causou na política nacional, com sua eleição para a Prefeitura de São Paulo, está prosperando em todo o país

Aristóteles Drummond
16/Ago/2017
  • btn-whatsapp
São muitos os nomes oriundos da classe empresarial que estão sendo lembrados para 2018. Realmente, o empresário precisa ter os mesmos dons dos bons políticos: prudência, visão, coragem e compromisso com a qualidade. E, claro, honestidade e ética.
 
A Associação Comercial de São Paulo (ACSP), por exemplo, revelou ao Brasil homens públicos de serviços prestados, como são os casos de seus ex-presidentes Brasílio Machado Neto, Paulo Maluf e Guilherme Afif Domingos.
 
E a FIESP emprestou alguns de seus dirigentes para funções políticas relevantes, como Roberto Simonsen. A CNI deu Euvaldo Lodi, Albano Franco, José Alencar e Armando Monteiro Filho. Além dos consultores informais de governantes como João Dault, de Getulio Vargas, Rui Gomes de Almeida, de JK, Antônio Carlos Osório, de Costa e Silva, , da Associação Comercial do Rio, Luís Bueno Vidigal e Mário Amato, da FIESP.
 
Banqueiros também sempre deram uma contribuição positiva na política. Magalhães Pinto começou como presidente da Associação Comercial de Minas e chegou a governador de Minas e chanceler, depois de sucessivos mandatos no Congresso.
 
Vale destacar ainda, entre os banqueiros, Walter Moreira Salles, embaixador nos EUA; Irapuan Costa Júnior, governador e senador por Goiás; Laudo Natal, vice e governador de São Paulo; Amador Aguiar, secretário de Finanças do prefeito Adhemar de Barros; Olavo Setúbal, prefeito nomeado de São Paulo e chanceler. Belo Horizonte teve em José Oswaldo Araújo, Américo Gianetti e Rui Lage excelentes prefeitos; todos empresários vitoriosos.
 
João Doria, com seu exemplo de sucesso eleitoral e êxito administrativo, com popularidade, anima o setor empresarial, quando o eleitor procura justamente novidade, mas sem risco de aventuras. Novidades com ficha limpa e bons resultados a apresentar.
 
O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro é nome em alta. Pensa um Brasil moderno no trato da economia e do social.
 
Alguns que se colocam cometem o erro de tentarem conciliar a figura do empresário, bom gestor, com agrados a uma esquerda boa de mídia, mas tradicionalmente ruim de votos.
 
Além disso, distante dos fundamentos da economia de mercado liberal, que a população hoje entende como a via da retomada do crescimento e do emprego.
 
Muitos que foram nessa linha nunca tiveram sucesso em majoritárias. E exemplos são Ronaldo Cezar Coelho, no Rio, e Antônio Ermírio de Morais, em São Paulo, entre outros.
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas