Montadoras fecham ano com aumento nas vendas

A melhora da renda do consumidor, do emprego e do crédito impulsionou as vendas

Estadão Conteúdo
28/Dez/2017
  • btn-whatsapp
Montadoras fecham ano com aumento nas vendas

Após quatro anos de queda, a indústria automobilística brasileira vai encerrar o ano com crescimento de mais de 9% nas vendas, uma alta acima das projeções feitas pelas montadoras.

Segundo analistas, a recuperação do mercado de carros novos começou no segundo semestre, pautada pela melhora da economia - ou seja, sem artificialismos como corte de impostos e crédito facilitado, medidas adotadas no período pré-crise.

Até o dia 26 deste mês foram vendidos 178,9 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, segundo dados do mercado. Se a média de vendas diárias for mantida até esta sexta-feira (29/12) dezembro fechará com cerca de 210 mil unidades vendidas.

No ano, a soma já está em 2,206 milhões de unidades e deve ficar próxima a 2,240 milhões, ante 2,050 milhões em 2016.

"Essa retomada veio para ficar, pois tem como base a melhora da renda do consumidor, do emprego e do crédito, e não de artificialismos do governo", diz João Morais, economista da Tendências Consultoria. Ele projeta nova alta de 15% em 2018, movimento que será seguido pelo setor de consumo em geral em diferentes proporções.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) iniciou o ano com previsão de aumento de 4% nas vendas, e refez o cálculo em setembro, para 7,3%. No mês passado, o presidente da entidade, Antonio Megale, admitiu que a alta seria maior.

A melhora do mercado levou a indústria automobilística a abrir 5,1 mil vagas neste ano, depois de ter promovido 30,6 mil demissões a partir de 2014 e ter adotado diversos mecanismos de corte de produção.

Fábricas que chegaram a operar com 70% de ociosidade agora estão fazendo horas extras e contratando, como a Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo (SP) e a MAN em Resende (RJ), ambas fabricantes de caminhões e ônibus.

"Se a demanda continuar aquecida é possível que a partir de maio será necessário ampliar o trabalho aos sábados ou voltar a operar em dois turnos em algumas áreas", diz o presidente da Mercedes, Phillip Schiemer. Na semana passada, a empresa anunciou a contratação de 266 funcionários.

INVESTIMENTOS

A retomada no setor também veio acompanhada de anúncios de novos investimentos, entre os quais o da Mercedes-Benz (R$ 2,4 bilhões), da Toyota (R$ 1,6 bilhão) e da MAN (R$ 1,5 bilhão).

Na opinião de Morais, o setor voltará a registrar vendas na casa dos 3 milhões de veículos a partir de 2020. A indústria ultrapassou esse volume entre 2009 e 2014. Já a produção deve atingir esse volume no próximo ano, puxada também pelas exportações. Ainda assim, o setor continuará a operar com ociosidade - tem capacidade para produzir até 5 milhões de veículos ao ano.

O único risco que Morais vê para o consumo é no cenário político, caso um embate entre candidatos à presidência traga de volta a insegurança entre consumidores.

O setor de autopeças também refez projeções e ampliou de R$ 69 bilhões para R$ 76,9 bilhões a previsão de faturamento este ano. "Para 2018, a expectativa é de um aumento de 7,4%, porque as exportações vão continuar crescendo, assim como o mercado doméstico", diz Dan Iochpe, presidente do Sindipeças (que representa as empresas do setor).

SEM ROTA

A frustração das montadoras e autopeças é iniciar o novo ano sem a política industrial para o setor automotivo, chamada de Rota 2030.

Após vários meses de discussão, o programa substituto do Inovar-Auto - que termina dia 31 - não foi aprovado em razão de impasse entre os ministérios da Indústria e da Fazenda, que é contra subsídios previstos para quem investir em pesquisa e desenvolvimento. A previsão é que o tema só será retomado em fevereiro, após a votação do projeto da reforma da Previdência. 

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas