Metade dos pequenos negócios está sem reservas financeiras

As empresas do setor de Serviços são as mais descapitalizadas, sendo que quase 60% delas não possuem reservas, segundo estudo do Sebrae

Agência Sebrae
30/Set/2021
  • btn-whatsapp
Metade dos pequenos negócios está sem reservas financeiras

Mais da metade das micro e pequenas empresas brasileiras está sem reservas financeiras em seu caixa. De acordo com realizado pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), 52% dos negócios desses portes não têm reservas, sendo que desse total, 12% estão com dificuldades de pagar as contas em dia, o que pode ser agravado ainda mais com o aumento da inflação.

Entre os empreendedores com reservas, os recursos disponíveis ajudariam esse grupo a se manter por um trimestre. “O fôlego melhorou em relação ao ano passado, quando os recursos davam para manter a empresa por cerca de dois meses, mas a grande maioria dos empreendedores ainda não está em situação favorável”, Carlos Melles, presidente do Sebrae.

Ao analisar os dados por setor, as principais dificuldades e a disponibilidade de reservas são distintas entre Comércio, Serviços e Indústria.

Com relação às reservas, as empresas do Serviços são as mais carentes: quase 59% delas estão sem reservas, sendo que 15% estão com dificuldades para pagar as contas.

Já entre os empreendedores da Indústria esses números caem para cerca de 50%, com 13,2% com problemas para pagar as contas.

O Comércio é o que apresentam melhor cenário: 44,5% não possuem recursos e quase 7% não têm reservas para pagar as contas.

Entre as empresas com reservas, 48% pretendem utilizá-las nos próximos 12 meses, sendo que 4% inteiramente.

Indústria é o setor com o maior número de empresas que pretendem utilizar esses recursos, que serão destinados principalmente para investimentos em máquinas, equipamentos e infraestrutura. “Isso demonstra que esse setor tem a perspectiva de aumentar a produção e a competitividade e que está menos endividado, já que apenas 16% irão utilizar para pagamentos de dívidas”, diz Melles.

Já entre as empresas do setor de Serviços, 42% pretendem usar suas reservas, que deverão ser destinadas, principalmente, para investimentos em máquinas, equipamentos e modernização, sendo que 23,3% também usarão esses recursos para o pagamento de dívidas. “Esse resultado é consequência de que as empresas desse setor estão com dificuldade para pagar seus débitos, fazendo com que elas tenham menos recursos para investir no próprio negócio”, afirma o presidente do Sebrae.

Entre as empresas do Comércio, 41,5% que pretendem investir os recursos, em grande parte, na antecipação de compras de insumos e matérias-primas e em infraestrutura.

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas