Mapear processos industriais para ganhar competitividade

Otimizar processos produtivos para reduzir custos é um caminho promissor para se ter o tão almejado preço competitivo nos mercados globais

Comércio Exterior
12/Jul/2017
  • btn-whatsapp

Por Antonio Carlos Dantas Cabral (*) e José Cândido Senna (**)

O preço de exportação de mercadorias na unidade produtiva é, geralmente, formado a partir do que é praticado domesticamente, subtraindo-se impostos diretos e outras despesas relacionadas à comercialização do produto no País, como distribuição, propaganda e comissão de vendedor.

No momento em que as exportações são consideradas importante fator de estímulo a ganhos de competitividade do produto brasileiro, permitindo maior uso da capacidade instalada das indústrias, otimizar processos produtivos para reduzir custos é um caminho promissor para se ter o tão almejado preço competitivo nos mercados globais.

Buscar permanentemente esse ponto ótimo em seus processos internos fortalece as empresas sob dois pontos de vista: no mercado interno, ao suplantar a concorrência de produtos importados, e no externo, ao ganhar robustez para conquistar mercados-alvo no exterior, onde concorrem com fornecedores locais e estrangeiros.  

Dado esse cenário desafiador, é fundamental entender e identificar cada um dos passos ou atividades que transformam as entradas de informações ou materiais em produto ou serviço final ou intermediário.

Para tanto, duas ferramentas simples estão à disposição de gestores de indústrias de qualquer porte: o software livre BizAgi, para desenhar e compreender todo o processo produtivo, e o SIPOC – (em inglês, Suppliers, Inputs, Process, Outputs and Customer) para quantificar todas as origens, materiais, processos, saídas e destinos em cada uma das etapas da produção.

Ao utilizá-los, apenas com baixíssimo investimento de tempo de pessoal técnico, é possível identificar oportunidades de redução custos e de desperdícios nas operações fabris e de adição de valor aos resíduos inerentes aos processos.

Em resumo, o passo inicial para se tornar competitivo é conhecer e entender cada um dos passos e atividades que transformam as entradas de informações e materiais em produto ou serviço final ou intermediário. Dá-se a ele o nome de mapeamento.

Com as informações obtidas, parte-se para a avaliação criteriosa de todos os procedimentos operacionais de modo a se ter certeza que todos os detalhes estão sendo obedecidos e que a qualidade final é sempre a mesma. Em seguida, deve-se cronometrar cada um desses procedimentos e padronizá-los.

Concluídas essas atividades, pode-se dizer que a empresa realmente conhece seus processos e está pronta para identificar as reais oportunidades de redução de custo e de adição de valor.

Dois exemplos: o uso racional de áreas fabris permite liberar as que possam estar ociosas, fato que pode reduzir custos de aluguel ou permitir ampliação de área produtiva, gerando mais valor; otimizar os tempos de produção reduz os estoques intermediários, o tempo de processo e, consequentemente, o tempo de entrega de pedidos o que torna a empresa mais competitiva.

Usar adequadamente o tempo e o espaço físico, certamente, fortalecem a construção da base para se implantar a produção enxuta ou “lean manufacturing”, em que insumos, componentes e produtos acabados passaram a ser entregues com frequência maior e lotes menores.

Enquanto as indústrias se preparam para absorver as tecnologias de informação e comunicação (TICs) com fortes conexões pela Internet entre máquinas, sensores, celulares e outros itens, no contexto da chamada “Internet das coisas”, é fundamental que busquem ganhos de competitividade com o foco em exportações, cujas receitas também lhes permitirão fazer face aos investimentos necessários à inovação e à modernização tecnológica.

Essas questões serão analisadas e debatidas no workshop do EXPORTA, SÃO PAULO no próximo dia 25/07
------------
(*) Engenheiro, empresário e professor de cursos de pós-graduação  e graduação da Escola de Engenharia Mauá, com larga experiência profissional desenvolvida em grupos industriais (**) Coordenador Geral do Projeto EXPORTA SÃO PAULO, da FACESP e da São Paulo Chamber of Commerce./ACSP, em desenvolvimento desde 2004

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas