Licenciamentos imobiliários não têm mais obstáculos

Foi removido o veto ao direito de protocolo para todas as regiões da capital paulista

Estadão Conteúdo
17/Mai/2018
  • btn-whatsapp
Licenciamentos imobiliários não têm mais obstáculos

A queda da liminar que vetava o direito de protocolo deixa o caminho livre para que a Prefeitura de São Paulo retome o licenciamento de projetos imobiliários, de acordo com advogados.

No entanto, o assunto não está totalmente solucionado, do ponto de vista jurídico. O julgamento pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça apurou nesta quarta apenas o recurso da Prefeitura contra a liminar. Falta agora o colegiado realizar o julgamento do mérito, isto é, a essência do tema, o que ocorrerá em uma data a ser agendada provavelmente no segundo semestre.

"Cassada a liminar, a Prefeitura pode voltar ao processo de licenciamento normalmente. Não há nenhum impedimento", salientou o advogado Marcelo Terra, sócio do escritório Duarte Garcia, Serra Netto e Terra e membro do conselho jurídico do Secovi-SP.

Terra acrescentou que é pouco provável que haja uma reversão do veto ao direito de protocolo no julgamento de mérito. Ele destacou que a cassação da liminar desta quarta teve 16 votos favoráveis e apenas 7 contrários. Entre os votos favoráveis esteve o próprio presidente do TJ-SP, desembargador Pereira Calças.

"O voto do presidente foi muito bem fundamentado e acompanhado por uma maioria expressiva. Então, eu diria que o caso está muito bem encaminhado. Mas a solução, de fato, virá apenas com o julgamento do mérito", frisou.

A mesma explicação foi compartilhada pelo advogado Olivar Vitale, sócio do escritório VBD Advogados, que atende o Sinduscon-SP. "A chance de uma reversão do julgamento de hoje (quarta) é muito pequena", afirmou.

Vitale destacou ainda que a liminar derrubou o veto ao direito de protocolo para todas as regiões da cidade, sem exceção. "O efeito foi integral", comentou.

IMPASSE

O direito de protocolo garante que os empreendimentos encaminhados para licenciamento na Prefeitura sejam analisados conforme a legislação vigente na época em que são protocolados, mesmo se houver mudanças na legislação nos períodos seguintes.

Como a montagem dos estandes leva meses ou anos após a liberação das licenças, o direito de protocolo dava segurança às empresas de que seus projetos não precisariam ser revistos com mudanças na lei, sob o risco de perderem viabilidade econômica devido a eventuais restrições ao número de andares, tamanho da área construída, tipo de uso (residencial ou comercial), entre outros fatores.

A crítica do Ministério Público, autor da petição que levou à liminar, é que a liberação das licenças deve respeitar a nova lei de zoneamento que entrou em vigor em 2016 e impôs limites à construção em determinadas áreas da cidade, especialmente nos trechos que passaram a ser classificados como zonas de proteção ambiental. Nesse sentido, o direito de protocolo não poderia garantir um retrocesso ambiental, argumentou o MP em sua petição.

O Ministério Público ainda pode recorrer da decisão do TJ-SP. A instituição foi procurada pela reportagem, mas ainda não havia se manifestado até a publicação desta reportagem.

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas