Libânio Nunes defende retirada de juros e multas

Libânio Victor Nunes de Oliveira, presidente da ACI de Marília, fala sobre a medida provisória sobre o refis

Redação Facesp
10/Fev/2017
  • btn-whatsapp
Libânio Nunes defende retirada de juros e multas

Dentre as sugestões para a retomada do crescimento e fortalecimento da economia, o presidente da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Marília, Libânio Victor Nunes de Oliveira, defende a retirada de juros e multas da renegociação de dívidas prevista no programa de regularização tributária para empresas, instituído pela Medida Provisória (MP) 766/2017, editada no início do mês de janeiro. Segundo ele isto seria necessária para aumentar a adesão ao programa. “Para o empresário se desenvolver, ele precisa respirar”, disse o dirigente mariliense. “E somente com algumas iniciativas governamentais é que isto poderá acontecer”, falou ao sugerir a revisão da Medida Provisória e manter o canal de diálogo entre os empresários.

Para Libânio Victor Nunes de Oliveira os empresários não terão condições de arcar com a renegociação da maneira como está proposta na MP, pois os valores vão dobrar e automaticamente os devedores não terão condições de pagar, principalmente porque a economia do país não sinalizou crescimento para 2017 e 2018. “Quem está devedor não consegue fazer financiamento em bancos públicos, se habilitar em licitações e passa a ter uma série de restrições que sufoca qualquer administração”, falou o presidente da ACI de Marília e atual vice presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

A participação do empresário é outra sugestão do dirigente mariliense que acredita na possibilidade do Governo, através da equipe econômica, ouvir mais o setor produtivo antes de encaminhar para o Congresso Nacional a reforma tributária. “Havendo a participação de outros segmentos e de pessoal envolvido diretamente, as chances de erro são bem menores”, defende Libânio Victor Nunes de Oliveira que espera uma reforma tributária para o bem do comércio em geral. “Da forma que está dificilmente perceberemos melhoras a curto prazo”, acredita o dirigente da associação comercial de Marília. “A carga tributária é altíssima, e o sistema é muito complexo”, falou ao defender uma simplificação imediata na legislação.

A suspensão das multas e juros seriam uma atração ao Refis, pois elas dificultam muito as empresas entrarem no Refis, que é um programa de refinanciamento de dívidas, mas que encontra-se inviável. “É preciso tirar os entraves do arcabouço jurídico brasileiro para fomentar o investimento estrangeiro e nacional no país”, arriscou o presidente da Acim e vice presidente da Facesp, defendendo um sistema fiscal mais igualitário. “A elevada carga tributária é o principal problema, afinal, os juros estão caindo e os empregos só voltarão se as empresas tiverem fôlego”, disse com experiência própria. “Do contrário o empresário vai continuar esperando e o quadro não mudará”, alertou.

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas