Insumos e combustíveis pressionam os custos dos pequenos negócios

Pesquisa realizada pelo Sebrae mostra que esses são os itens que mais pesam nas operações de 63% dos MEI e 61% das micro e pequenas empresas

Redação DC
24/Set/2021
  • btn-whatsapp
Insumos e combustíveis pressionam os custos dos pequenos negócios

*com informações da Agência Sebrae

A alta no preço dos insumos e os sucessivos aumentos nos combustíveis são os fatores que mais pressionam os custos dos pequenos negócios, como mostra pesquisa realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Esses dois fatores foram citados como os que mais impactam os negócios por 63% dos microempreendedores individuais (MEI) ouvidos para o levantamento e por 61% das micro e pequenas empresas.

Quando somados aos preços dos insumos e do combustível os gastos com gás e energia elétrica, esse pacote passa a ser o que mais pressiona os custos de 76% dos MEI e 77% das micro e pequenas companhias.

Os gastos com aluguel foram citados por 13% dos MEI e 15% das micro e pequenas como os mais nocivos para os negócios.

Segundo o Sebrae, o cenário pode piorar. No acumulado deste ano até agosto, o preço da gasolina avançou 31,09%, enquanto o do diesel acumula alta de 28,02%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A expectativa do setor financeiro é que a inflação fique em torno dos 8% para esse ano. “Caso essa estimativa se confirme é possível que mais empreendedores sintam esse impacto, o que dificultará ainda mais o processo de retomada dos pequenos negócios, que estão começando a se recuperar dos danos causados pela pandemia”, diz Carlos Melles, presidente do Sebrae.

POR SETOR

Quando analisados por porte da empresa e setores, a alta dos preços das mercadorias e combustíveis exercem pesos diferentes. O preço dos insumos tem um impacto maior para as micro e pequenas empresas (39%) do que para os MEI (35%).

Já o preço dos combustíveis pesa mais para microempreendedores individuais (28%) do que para o micro e pequeno empresário (22%).

A mesma diferença acontece entre homens e mulheres. Para 32% dos homens, os gastos com combustíveis têm maior peso, contra 17% das mulheres.

Já entre as empreendedoras, o que mais pressiona são os gastos com insumos e mercadorias: 41% delas indicaram esse quesito, enquanto apenas 34% dos homens escolheram essa mesma opção.

De acordo com a pesquisa, para 62% das Indústria o custo das mercadorias é o que tem mais peso, seguido pelo Comércio (49%), Agropecuária (47%), Construção Civil (36%) e Serviços (25%).

Já quando o assunto é combustível, ele pesa mais nos empreendimentos da Construção Civil (41%), Agronegócio (34%), Serviços (32%), Comércio (18%) e Indústria (14%).

O levantamento foi realizado entre o fim de agosto e o início de setembro com 6.104 respondentes de todos 26 Estados e do Distrito Federal.

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas