Inadimplência representa 38,27% do custo do crédito

Relatório de Economia Bancária, do Banco Central, prevê crescimento de 7% para o saldo de crédito para as pessoas físicas e queda de 2% para empresas

Estadão Conteúdo
12/Jun/2018
  • btn-whatsapp
Inadimplência representa 38,27% do custo do crédito

A inadimplência de cidadãos e empresas foi responsável por 38,27% do spread do Indicador de Custo de Crédito (ICC) em 2017, conforme o Relatório de Economia Bancária (REB), publicado pelo Banco Central. Em 2016, o custo da inadimplência representava 38,57% do spread.

O ICC é um indicador que reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque.

Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento. Já o spread diz respeito à diferença entre o custo de captação dos bancos e o que é efetivamente cobrado do consumidor final. 

Os dados do BC mostram ainda que as despesas administrativas dos bancos foram responsáveis por 25,55% do spread do ICC no ano passado, ante 24,23% em 2016. Já o custo com tributos e Fundo Garantidor de Crédito (FGC) representou 22,13% do spread, sendo que em 2016 a fatia era de 22,79%. 

Os números indicam ainda que a margem financeira dos bancos somou 14,04% do spread do ICC no ano passado, ante 14,41% em 2016. 

O Relatório de Economia Bancária (REB), publicado hoje pelo BC, busca jogar luz sobre a questão dos spreads no Brasil, que tem sido alvo de discussões no Congresso, nos meios acadêmicos e no próprio mercado financeiro.

O Banco Central registra no Relatório de Economia Bancária (REB) que suas projeções apontam para crescimento do crédito em 2018.  

"Projeta-se crescimento de 7,0% para o saldo de crédito para as pessoas físicas e queda de 2,0% para o saldo das pessoas jurídicas", informou o BC no relatório.

"Assim, a projeção de crescimento da carteira total de crédito do Sistema Financeiro Nacional SFN é de 3,0% em 2018."

No relatório, o BC também defendeu que, mesmo que as reduções da Selic (a taxa básica da economia) sejam repassadas integralmente para o custo de captação e para as taxas de juros das operações de crédito, a queda nos juros do crédito a famílias e empresas em termos porcentuais será menor do que a da taxa Selic.

Isso ocorre, conforme o BC, porque a Selic é apenas "um dos ingredientes na formação do custo do crédito".

"E, quanto menor for a participação da Selic no custo do crédito, como no caso de modalidades com altas taxas de inadimplência, menor será o impacto em termos percentuais", pontuou o BC.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas