Inadimplência causada por queda da renda cresce, diz Boa Vista

Mais de 60% dos consumidores endividados possuem três ou mais contas em atraso

Redação DC
24/Set/2021
  • btn-whatsapp
Inadimplência causada por queda da renda cresce, diz Boa Vista

O número de consumidores que se tornou inadimplente por conta de diminuição da renda aumentou no primeiro semestre de 2021 em relação ao semestre anterior, indica pesquisa da Boa Vista.

Segundo o levantamento, 26% dos consumidores entrevistados apontaram essa como a principal causa da inadimplência, contra 22% no segundo semestre de 2020.

O principal motivo da inadimplência, entretanto, continua sendo o desemprego, mas com uma leve queda entre os dois períodos: 31% no primeiro semestre deste ano contra 33% no segundo semestre de 2020.

“O desemprego costuma ser, historicamente, a principal causa da inadimplência do consumidor. Mas neste último semestre, chama a atenção o crescimento da diminuição da renda como motivo da inadimplência, reflexo direto da crise ocasionada pela pandemia na vida financeira do consumidor”, diz Flavio Calife, economista da Boa Vista.

A Boa Vista também questionou quantas contas o consumidor com restrições possui em atraso. A maioria, 62%, possui três ou mais contas em atraso, e 86% desses consumidores estão há mais 90 dias inadimplentes.

Em relação ao valor das dívidas, 54% desses consumidores relataram à Boa Vista que possuem dívidas a partir dos R$ 3 mil. “Esses números demonstram que, uma vez negativado, o consumidor tem dificuldades para quitar sua dívida rapidamente, além de acabar atrasando outras contas e devendo um valor cada vez maior”, comenta Flavio.

Para a maioria dos consumidores inadimplentes (25%), as contas cujo não pagamento resultou em restrição ao CPF foram as chamadas contas diversas, que englobam gastos com educação, saúde, impostos e taxas, lazer e outras despesas.

Em segundo lugar, vem os empréstimos pessoais, com 15%. Em terceiro, os gastos com alimentação, para 15%.

As contas atrasadas foram contraídas pelos seguintes meios de pagamento: boletos (29%), cartão de crédito (26%) e cartão de loja (12%).

VAI PAGAR QUANDO?

Apenas 19% dos consumidores disseram que pagariam a dívida nos 30 dias seguintes, enquanto a maioria (30%) esperava conseguir pagar em um prazo de 30 a 90 dias.

Outros 20% entre 90 e 180 dias e 26% em um período acima de 180 dias.

Somente 38% disseram que vão conseguir pagar o valor total da dívida, enquanto 62% pretendem fazer uma renegociação do valor atrasado.

A pesquisa mostra ainda que 32% dos consumidores com restrição procuraram ajuda financeira nos bancos. Já os que buscaram ajuda em financeiras e com parentes e familiares foram 26%, seguidos por 16% dos que buscaram dinheiro para pagar as contas com amigos ou colegas.

Apenas 21% dos consumidores que buscaram apoio conseguiram o fôlego financeiro esperado.

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas