Impostômetro vai bater em R$ 2 trilhões

Painel da Associação Comercial de São Paulo vai cravar este valor já na manhã da próxima terça-feira (6/11)

Estadão Conteúdo
03/Nov/2018
  • btn-whatsapp
Impostômetro vai bater em R$ 2 trilhões

O Impostômetro vai bater a incrível marca de R$ 2 trilhões já na próxima terça (6/11) às 9h45. A informação foi divulgada pela Associação Comercial de São Paulo.

Em meio à crise que mantém mais de 12 milhões de desempregados, a estimativa para arrecadação total em 2018 é de R$ 2,388 trilhões -foram R$ 2,172 trilhões ao longo de 2017.

"A arrecadação está subindo, porém fecharemos o ano com déficit de mais de R$ 100 bilhões. Por isso a equipe econômica do próximo governo precisa focar no controle das contas públicas, manter o teto dos gastos e estimular a privatização de empresas estatais, diminuindo o tamanho do Estado", recomenda Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo e da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo (Facesp)

A cada dia, milhões de pessoas passam pela Rua Boa Vista, no centro velho de São Paulo. De frente para o Pátio do Colégio, todos podem contemplar um painel de 1,85 m de altura por 4,3 m de largura com um cronômetro que não para um só instante - é o Impostômetro, que registra a velocidade da arrecadação de tributos em todo o País.

LEIA MAIS: Apesar da crise, carga tributária sobe a 32,6% do PIB

O Impostômetro foi instalado há 13 anos. Ele informa, em tempo real, os valores que vão para os cofres públicos.

O painel foi instalado pela Associação Comercial em 20 de abril de 2005 para chamar a atenção da população para os valores que todos recolhem, em impostos, taxas, contribuições e multas.

A data não foi escolhida por acaso. Era véspera de feriado de Tiradentes. Na inauguração do painel, o ator Paulo Goulart, falecido em 2014, subiu ao palco e representou Tiradentes inconformado com a carga tributária do "Quinto dos Infernos" -o quinto (20%) que os brasileiros pagavam em tributos para Portugal pela exploração das riquezas naturais do Brasil colonial.

Essa foi a forma que a Associação Comercial de São Paulo encontrou para "alertar e conscientizar a população para o fato de que ela arca com tudo isso e, em contrapartida, não vê o dinheiro bem aplicado em saúde, segurança, educação".

A entidade destaca que o Brasil "tem uma das mais altas cargas tributárias do mundo e não dá o retorno à sociedade".

FOTO: Hype

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas