Governo veta ‘Refis do Simples’. Fim da crise fica mais distante para MPEs

Aprovado pelo Congresso, programa de parcelamento previa 180 meses para micro e pequenas empresas, além do MEI, quitarem suas dívidas tributárias

Renato Carbonari Ibelli
07/Jan/2022
  • btn-whatsapp
Governo veta ‘Refis do Simples’. Fim da crise fica mais distante para MPEs

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente projeto que previa a criação de um programa especial de parcelamento para as empresas do Simples Nacional.  

O projeto criava o Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos (Relp), que permitia o parcelamento dos débitos tributários das empresas do Simples em até 180 meses (15 anos).

A iniciativa era vista por vários segmentos da economia, como o de bares e restaurantes e outros igualmente afetados pelas restrições impostas pela pandemia, como um meio de manter os negócios em funcionamento em meio à crise.

A estimativa é que o programa de parcelamento tinha potencial para renegociar R$ 50 bilhões em dívidas acumuladas por 16 milhões de micro e pequenas empresas.

O veto de Bolsonaro, publicado no Diário Oficial desta sexta-feira, 7/01, é acompanhado da seguinte justificativa: “A proposição legislativa incorre em vício de inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público, uma vez que, ao instituir o benefício fiscal, implicaria em renúncia de receita”.

O Congresso ainda pode derrubar o veto do presidente da república, mas não há data prevista para isso.  

TRAGÉDIA PARA O EMPREENDEDORISMO

Relator do projeto do Refis do Simples no Congresso Nacional, o deputado federal Marco Bertaiolli, que também é vice-presidente da Facesp, lamentou o veto e o classificou como uma “lástima e uma tragédia para o empreendedorismo e para a retomada econômica”.

Segundo ele, as MPEs foram extremamente prejudicadas durante a pandemia e tinham no Refis uma forma de ganhar um novo fôlego e, assim, retomar as atividades, pagando as dívidas do passado e do presente.

“Penso ser correto o governo não dar anistia de dívidas, porém, o Refis não é um perdão, mas, sim, um parcelamento do débito. O empreendedor vai arcar com o saldo devedor, mas de forma parcelada, facilitando a vida de quem deseja manter o negócio funcionando, gerando empregos”, disse o deputado.

“Em um momento de alta no desemprego, uma inflação que diminui a quantidade de comida na mesa dos brasileiros, manter as empresas no sufoco só agrava este quadro. Os microempresários não têm as mesmas condições das grandes empresas e precisam de ajuda para reverter quase dois anos de prejuízos em suas atividades”, afirmou Bertaiolli.

MANIFESTO

A Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) divulgou um manifesto no qual lamenta o veto ao projeto de lei que criaria o Refis das empresas do Simples Nacional.

Assinado pelo presidente Alfredo Cotait Neto, o texto afirma que "o veto significa um retrocesso no processo de recuperação econômica e coloca em risco milhares de empregos".

A Facesp, a CACB e a ACSP São Paulo, entidades que também assinam o manifesto, terminam o documento solicitando que o Congresso Nacional derrube o veto e, ainda, que o prazo de adesão ao Simples seja ampliado.

SOBRE O RELP

Além do pagamento dos débitos em até 180 meses, o Relp ainda estipulava descontos para quitar as pendências de 65% a 90% nos juros e multas - benefício que varia de acordo com a queda de faturamento em razão da pandemia.

Empresas do Simples, o que inclui os Microempreendedores Individuais (MEI), poderiam parcelar a entrada do pagamento de suas dívidas em até oito vezes. Depois disso, e até o 37º mês, as prestações representariam um percentual do faturamento da empresa.

 

IMAGEM: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas