Franquias têm crescimento moderado no 2º trimestre de 2017

Queda da inflação, expansão do crédito e o saque do FGTS puxaram a alta de 6,8%, segundo a ABF. Segmento em destaque foi o de Hotelaria e Turismo

Karina Lignelli
10/Ago/2017
  • btn-whatsapp
Franquias têm crescimento moderado no 2º trimestre de 2017

O franchising brasileiro cresceu um pouco menos, mas cresceu, e fechou o 2º trimestre de 2017 com faturamento de R$ 37,565 bilhões – uma alta nominal de 6,8% ante igual período de 2016.

Os dados são da Pesquisa Trimestral de Desempenho divulgada nesta quinta-feira (10/8) pela Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Mas, apesar de inferior ao índice registrado entre abril e julho do ano passado (8,1%), o resultado mostra que o ritmo de crescimento ainda se mantém mesmo diante de um cenário macroeconômico desafiador.

LEIA MAIS: Desemprego estimula a expansãode microfranquias no país

Na análise de dados semestrais a alta foi de 8%, com um faturamento de R$ 74,428 bilhões.

Além de fatores externos, como a queda da inflação, expansão do crédito e até o saque das contas inativas do FGTS, a busca das redes por mais eficiência e por novos mercados mostram que o setor vem fortalecendo seu crescimento em termos reais.

“Esse desempenho mostra a capacidade de reinvenção do setor e os benefícios da operação em rede”, diz Altino Christofoletti Jr., presidente da entidade.

Christofoletti: Eficiência
do setor impulsionou
resultados

Baseada nas projeções do mercado para 2017 (PIB de 0,34% e inflação de 345%), a expectativa da ABF é de o setor fechar o ano em alta de 7% a 9%.

Para Vanessa Bretas, diretora de Inteligência de Mercado da ABF , que considerou o resultado do 2º trimestre “moderado, mas positivo”, a tendência é de relativa recuperação e estabilidade.

“As redes estão se preparando, investindo em capacitação, no fortalecimento das vendas e no desempenho das mesmas unidades. Fecharemos o ano com um crescimento considerável.”

UMA TENDÊNCIA CADA VEZ MAIS FORTE

Entre os segmentos que mais se destacaram no segundo trimestre foram Hotelaria e Turismo (10,1%) – que em 2016 sofreu bastante com a crise -, seguido por Saúde, beleza e bem estar (9,4%) e Casa e construção (8,6%).

Quando se analisa a abertura e fechamento de unidades, a pesquisa da ABF também sinaliza moderação. No 2º trimestre de 2017, o saldo entre unidades abertas e fechadas ficou positivo em 1,9% - totalizando 144.074 em operação no país.

Já no total de novas redes houve uma queda de 2% no período, com 2.979 em atuação em comparação a dezembro de 2016. Esses números refletem uma tendência de crescimento sistemático que é fruto da consolidação do setor, segundo Christofoletti.

“A perspectiva é estabilizar o número de marcas (redes) e aumentar o número de unidades para ganhar escala”, afirma.

Com isso, aumenta também a tendência dos multifranqueados (com uma ou mais unidades da mesma marca) ou dos franqueados multimarca (com unidades de redes diferentes) – um número que chega a 74,5% segundo informaram as redes à ABF no primeiro trimestre.

A estratégia, segundo a ABF, é visar lucros de curto prazo e continuar ocupando mercado para quando a economia se recuperar.

“As redes investem nesses profissionais que têm condições de oferecer uma gestão mais estruturada no desenvolvimento das marcas. Por isso a tendência é cada vez mais forte”, finaliza Christofoletti.

Imagem: Thinkstock

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas