Franchising brasileiro passado a limpo

ABF lança livro com a história dos pioneiros da atividade, como o Bob´s (na foto), e mostra como o setor vem se mantendo como um dos mais resistentes da economia nas últimas três décadas

Karina Lignelli
29/Ago/2017
  • btn-whatsapp
Franchising brasileiro passado a limpo

Ela acaba de completar 30 anos como a segunda maior entidade do setor no mundo (atrás apenas da americana International Franchising Association, ou IFA).

Hoje, com 1,1 mil associados, representa um setor que cresceu 8,3% em 2016, faturou R$ 151,2 bilhões e emprega 1,2 milhão de pessoas. 

É dessa forma, contabilizando grandes números, que a Associação Brasileira de Franchising (ABF) comemora seu aniversário com o lançamento do livro “ABF 30 anos” (Ed.Lamonica, 2017).

LEIA MAIS: Quem são os multiempreendedores das franquias

Em 12 capítulos, que contêm depoimentos dos pioneiros e atuais empreendedores do franchising e fotos para lá de emblemáticas dos diversos momentos econômicos que o Brasil enfrentou, a entidade passa a limpo sua história até chegar à consolidação do setor.

No começo, lá pelos idos de 1997, apenas 11 marcas operavam no sistema por aqui. E a entidade, fundada pelo empresário Ricardo Young e os consultores Marcus Rizzo e Marcelo Cherto, entre outros profissionais, tentava ajudar o setor a se desenvolver e se manter na superfície em um ambiente de hiperinflação e planos econômicos que não deram certo. 
 
 

Mas antes de mais nada, o livro faz uma viagem pelo varejo do século passado para dar uma ideia de como o setor foi se sofisticando para atender cada vez mais às necessidades do consumidor. E chegar ao atual modelo de negócio do franchising sacramentado pela ABF.

LEIA MAIS: Multimarcas x franquias: como transformar conflito em união

Primeiro, com a abertura de lojas como Pernambucanas (1908), Mappin (1913) - que estreou nas franquias em 1997, com uma loja no shopping Jardim Sul - e a Sears (1949). Depois, com a adoção do sistema de supermercados, como Peg Pag e Pão de Açúcar, nos anos 50.

LIVRO ABF
Obra com a história das franquias

Outro marco foi a abertura da primeira lanchonete do Bob's, em 1952 [na foto que abre esta reportagem] –que virou franquia em 1984. Ou as pioneiras escolas de idiomas, como Yázigi, Fisk e CCAA, primeiras a adotarem o modelo de negócio.

LEIA MAIS: Economia em baixa, franchising em alta

Finalmente, a proliferação dos shoppings centers a partir dos anos 60 e 70, que começou a partir da abertura do Iguatemi, em São Paulo, e o Madureira, no Rio de Janeiro - e que acabaram impulsionando nos anos seguintes o crescimento do franchising.

O grande salto, porém, aconteceu na década de 80. “O Plano Cruzado, junto ao Estatuto da Micro e Pequena Empresa (1984), criaram um cenário muito propício para esse modelo de negócio”, segundo Marcelo Cherto. 

E foi com esse modelo padronizado, pré-formatado e de risco relativamente baixo que deixou o franchising atrativo tanto para empreendedores experientes como para os de primeira viagem. 

EM ATIVIDADE

Entre erros e acertos, a abertura e o fechamento de redes, a chegada –e o retorno -de marcas procedentes de outros mercados e até algumas pendengas judiciais envolvendo franqueadores e franqueados, o franchising foi alcançando outros patamares com a ajuda da ABF.

Um deles, a promulgação da Lei de Franquias, sancionada pelo presidente Itamar Franco em 1994 com o apoio da entiadade, ajudou a regulamentar a relação entre as partes.

A diversificação do setor, em que dominavam as redes de fast food, também se mostrou cada vez mais forte no ABF Franchising Show de 1996 e nos anos seguintes. Nessa edição, o evento atraiu franquias de autopeças (Auto Express), construção (Peg&Faça) e até do segmento gráfico (Alphagraphics).

LEIA MAIS: Substituição tributária impacta fluxo de caixa de franqueados

Hoje, o setor conta até com franquias do ramo imobiliário, limpeza e conservação, educação financeira e contabilidade, entre outras.

A criação de outros modelos dentro do próprio franchising, como a migração da indústria para o varejo – com as redes O Boticário, hoje a maior franquia de cosméticos do país, e a Hering – também foi um dos exemplos mais emblemáticos.

Ou o boom das microfranquias (com investimento até R$ 90 mil) e do home based, que se tornaram opção para muitos profissionais que decidiram empreender na crise.

E ainda, a internacionalização, o ponto máximo, puxada pelos convênios com a Apex-Brasil e a realização de missões internacionais.

Tentando aumentar ainda mais a visibilidade do setor e deixando para trás os anos em que operava no vermelho, a ABF conquistou tamanha influência que chegou a ser uma das entidades responsáveis pela criação da Secretaria Nacional de Comércio e Serviços, ligada ao MDIC.

LEIA MAIS: Empreender na crise pode ser mesmo um bom negócio? Depende

Com a consolidação do setor, a ABF passou a focar na capacitação – que o digam o MBA de Gestão em Franquias, criado em parceria com a FIA (Fundação Instituto de Administração). Ou o Congresso de Expansão de Redes, realizado a partir de 2015.

Presidente na gestão 2013-2016, Cristina Franco, a primeira mulher a assumir o comando da ABF, resume essas iniciativas, cujo foco é levar conhecimento ao empreendedor.

“Na crise, sobrevive quem estiver mais capacitado”, afirma.

O livro encerra com a visão da entidade sobre os próximos 30 anos, baseada em pilares como educação, economia do compartilhamento, inovação e governança, entre outros.

Mas sem perder o foco no longo prazo nem a "visão pelo retrovisor", que remete aos percalços políticos e econômicos pelos quais o Brasil passou, segundo Altino Christofoletti Jr, fundador da Casa do Construtor e atual presidente da ABF

“Empreender no Brasil não é tarefa para amadores”, afirma, na abertura do livro, que divide com Artur Grynbaum, presidente de O Boticário e do Conselho de Associados da ABF, citando uma frase recorrente no metié do franchising.

LEIA MAIS: O segredo das franquias que (quase) nunca fecham

Frase, aliás, que resume como o setor vem se mantendo como um dos mais resistentes da economia nos últimos 30 anos. Que venham os próximos 30.   

  
Infográficos: José Augusto Camargo/DC

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas