Focus: taxa Selic deve subir pela segunda vez consecutiva

Expectativa do mercado financeiro é que juros básicos subam para 4,25% ao ano já na reunião do Copom desta semana, segundo o boletim de indicadores econômicos do BC desta segunda (14/06)

Agência Brasil
14/Jun/2021
  • btn-whatsapp
Focus: taxa Selic deve subir pela segunda vez consecutiva

O mercado financeiro espera que a taxa básica de juros, a Selic, suba 0,75 ponto percentual para 4,25% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), marcada para esta semana.

A expectativa está no Boletim Focus, pesquisa divulgada semanalmente pelo do Banco Central (BC). Atualmente, a Selic está em 3,5% ao ano após o segundo aumento consecutivo, devido à alta da inflação no país.

Para o mercado financeiro, a expectativa é de que a Selic termine 2021 em 6,25% ao ano. A previsão da semana passada estava em 5,75%. Para o fim de 2022, 2023 e 2024, a estimativa é de que a taxa básica chegue a 6,5%.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

INFLAÇÃO 

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 5,44% para 5,82%, na 10ª alta consecutiva.

A estimativa para 2021 supera o limite da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. O centro da meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 2,25% e o superior de 5,25%.

Para 2022, a estimativa de inflação foi ajustada de 3,70% para 3,78%. Tanto para 2023 como para 2024 a previsão para o índice é de 3,25%.

ECONOMIA E CÂMBIO 

A previsão para o crescimento do PIB subiu de 4,36% para 4,85%. Para o próximo ano, a estimativa de crescimento da economia passou de 2,31% para 2,20%. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro projeta expansão em 2,50%. 

Já a expectativa para a cotação do dólar caiu de R$ 5,30 para R$ 5,18 para o final deste ano, e de R$ 5,30 para R$ 5,20 no fim de 2022. 

FOTO: Adriano Machado/Reuters

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas