Fim da banda larga ilimitada volta a assombrar a internet

O ministro Gilberto Kassab afirmou que o modelo de franquia de dados passaria a ser adotado neste ano, mas voltou atrás. Na cabeça dos usuários de internet fixa, sobraram dúvidas

Redação DC
13/Jan/2017
  • btn-whatsapp
Fim da banda larga ilimitada volta a assombrar a internet

A possibilidade de as operadoras implantarem limites de dados para banda larga fixa foi um dos assuntos mais controversos do ano passado, e voltou à tona depois de declarações do Ministro Gilberto Kassab, da pasta de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC), que afirmou na quinta-feira, 12/01, que esta será a realidade dos planos de internet no país a partir do segundo semestre de 2017.

A declaração do ministro foi dada ao site Poder 360, para o qual argumentou ser preciso “buscar um ponto de equilíbrio, porque as empresas têm os seus limites”. Mas esse posicionamento durou pouco. 

Menos de 24 horas depois de decretar o fim da internet ilimitada, Kassab voltou atrás. Em nota, informou que “não haverá mudanças no modelo atual de planos de banda larga fixa”, reiterando seu compromisso em “atender o interesse da população e do consumidor.”

Ficou a dúvida na cabeça dos usuários de banda larga

Nesta sexta-feira 13/01, antes mesmo da reparação de Kassab, o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, também negou a existência de um aplano para retomar as discussões sobre a adoção de franquia em planos de banda larga fixa. 

"Não queremos tocar neste assunto tão cedo", disse Juarez, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. "Não temos a intenção de autorizar a franquia da banda larga em curto ou médio prazo." 

Ele frisou que a cautelar que proíbe as operadoras de limitar a quantidade de dados enviados e recebidos pelos usuários continua a valer.

Ainda assim, Quadros confirma que o tema polêmico continua em análise na agência reguladora, embora não haja prazo para conclusão do estudo. 

"A Anatel não pode deixar de analisar o assunto, pois ele está relacionado à prestação e à fiscalização do serviço de banda larga fixa."

COMO PODE FICAR
Atualmente, os brasileiros podem usar a banda larga fixa com tráfego de dados ilimitado, escolhendo apenas a velocidade de tráfego de dados em megabits por segundo (Mbps). 

Com o modelo de franquias, as operadoras podem criar diferentes planos baseados não só na velocidade da conexão, mas também no tráfego de dados utilizado pelos usuários - caso o usuário ultrapasse o limite contratado, precisa pagar valor adicional para continuar navegando na web.

Em 2016, o assunto provocou polêmica, depois que a operadora Vivo anunciou, em fevereiro, que passariam a usar o modelo de franquias na internet fixa a partir de janeiro de 2017. 

Em abril, o então presidente da Anatel, João Rezende, se manifestou a favor do modelo, dizendo que a era da internet ilimitada havia chegado ao fim. Dias depois, pressionado por entidades de defesa do consumidor, pelo então ministro das Comunicações, André Figueiredo, e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Rezende acabou voltando atrás.

Durante a discussão, que rivalizou em popularidade nas redes sociais com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, a Anatel proibiu as operadoras por "prazo indeterminado" de limitar o uso de banda larga fixa, até que a questão fosse julgada por seu conselho. 

Desde então, o assunto ficou em segundo plano - até porque, meses depois, Rezende deixou o comando da agência reguladora, sendo substituído em 11 de outubro do ano passado por Quadros.

Em uma consulta pública aberta no site da Anatel, que busca comentários sobre a evolução do segmento de banda larga no Brasil, mais de 13 mil pessoas se inscreveram para participar e deixaram mais de 2 mil contribuições. A maioria delas critica o modelo de franquia na banda larga fixa. O prazo para a Anatel receber contribuições será encerrado em 30 de abril.

*Com Estadão Conteúdo

IMAGEM: Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas