Erro não tem perdão em política

O destino e as circunstâncias podem levar muitos ao poder. Mas só a competência permite a longevidade com dignidade e um lugar no coração dos seus contemporâneos ou sucessores

Aristóteles Drummond
16/Out/2019
  • btn-whatsapp
Erro não tem perdão em política

A política é uma arte que não perdoa erros. A arrogância, a autossuficiência, o deslumbramento pelo poder e o rompimento de compromissos acabam por ser cobrados. E embora a história registre estes erros, em todo o mundo, eles são repetidos com imensa frequência.

Uma boa lição de humildade é se observar a vida de homens que algum dia foram poderosos, depois de afastados de posições de mando. Quem soube honrar compromissos, manteve amigos, respeito, consideração. Os frios, egoístas, imprestáveis, omissos em relação a atos de grandeza, têm o final triste, vendo o capim crescer a sua porta, como se dizia antigamente. Ficam pessoas amargas, que, isoladas, agridem os poucos que o frequentam, quando não as próprias mulheres e filhos.

Nosso Imperador Pedro II errou ao convidar Silveira Martins para formar o governo e provocou com isso a fúria do Marechal Deodoro, fatal para o Império. O dr. Tancredo perdeu a eleição de 1960 para o governo de Minas, pois conspirou para substituir José Maria Alkmin no Ministério da Fazenda de JK. Não conseguiu seu intento, mas ganhou um adversário de muito peso. E, quando chegou a campanha de 60, viu o sonho de todo político mineiro perdido. Teve de esperar mais 22 anos para realizá-lo.

Invadir a Rússia gelada foi erro de Napoleão, e um século depois de Hitler. Ambos delirantes. Mussolini não tinha nada que entrar na guerra, deveria ter feito como Franco e Salazar, e teria vivido décadas no comando e no coração dos italianos.

Washington Luís foi deposto por romper o compromisso com Minas e tentar fazer sucessor paulista, Júlio Prestes. Jânio Quadros representou uma renúncia que não era para valer e, em um minuto, viu a jogada genial virar fumaça. Não contava com a sagacidade do mesmo Alkmin e a agilidade de Moura Andrade em acatar a carta de renúncia e declarar vaga a Presidência. Não restou a Jânio nada mais do que chorar em Cumbica.

O destino e as circunstâncias podem levar muitos ao poder. Mas só a competência permite a longevidade com dignidade e um lugar no coração dos seus contemporâneos ou sucessores.

Neste delicado momento da vida brasileira, um erro, um equívoco, pode custar caro não ao governo e suas forças políticas, mas ao próprio Brasil que vive uma rara oportunidade de encontrar, finalmente, seu grande futuro. Mas todo cuidado é pouco!

 **As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

FOTO: Pixabay

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas