Emissões de renda fixa sobem 5% de janeiro a julho

Ofertas alcançaram R$ 2,4 bilhões no mês. No acumulado do ano, montante chega a R$ 50,7 bilhões, de acordo com Anbima

Estadão Conteúdo
08/Ago/2017
  • btn-whatsapp
Emissões de renda fixa sobem 5% de janeiro a julho

As emissões locais em títulos de dívida (renda fixa) e os instrumentos de securitização alcançaram R$ 2,4 bilhões em julho, informou a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). 

No acumulado do ano, as ofertas chegam a R$ 50,7 bilhões, com crescimento de 5% em relação ao mesmo período do ano passado.

As emissões de debêntures atingiram R$ 1,54 bilhão em julho, abaixo do montante de R$ 6,34 bilhões de junho e dos R$ 7,93 bilhões de julho do ano passado. 

No acumulado de 2017, as emissões de debêntures somaram R$ 28,77 bilhões. A demanda por esse tipo de ativo tem aumentado, de acordo com a Anbima. 

A associação informa que das debêntures distribuídas até julho, os investidores institucionais e pessoas físicas responderam por, respectivamente, 63% e 4,8% das aquisições. No mesmo período de 2016, as participações haviam sido de 13,7% e 1,7%.

As ofertas de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) ficaram em R$ 345 milhões em julho e R$ 5,52 bilhões de janeiro até o mês passado. As pessoas físicas responderam por 86,3% do total adquirido em 2017, contra 78,6% no mesmo período de 2016.

As ofertas de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) estavam em R$ 434 milhões em julho e R$ 2,44 bilhões no acumulado do ano. Os investidores pessoas físicas levaram 49,3% das ofertas deste ano, bem acima dos 9,5% adquiridos no mesmo intervalo de 2016.

No mercado externo, informa a Anbima, uma operação com bonds (renda fixa) levantou US$ 325 milhões em julho (convertendo o valor em reais na data de emissão, o volume equivale a R$ 1,02 bilhão). 

No acumulado até julho, foram 17 operações, entre renda fixa e variável, totalizando US$ 17,3 bilhões em captação (R$ 55,4 bilhões).

EMISSÕES DE AÇÕES 

As companhias brasileiras captaram R$ 11,7 bilhões no mercado de capitais doméstico durante o mês de julho, volume impulsionado pelas ofertas de renda variável, que somaram R$ 9,3 bilhões, de acordo com a Anbima.

O boletim divulgado pela Anbima mostra que, considerando os sete primeiros meses deste ano, a captação total chegou a R$ 74 bilhões, sendo que R$ 23,4 bilhões resultaram das emissões de ações no período - valor quase quatro vezes maior do que o registrado no mesmo intervalo de 2016.

Quatro companhias realizaram ofertas públicas iniciais de ações (IPOs) em julho.

As operações foram lideradas pelo Carrefour (Atacadão), com volume de R$ 5,1 bilhões, seguidas das emissões do Instituto de Resseguros do Brasil, de R$ 2 bilhões, da Biotoscana Investments, com volume de R$ 1,3 bilhão, e da Omega Geração, que captou R$ 844 milhões.

O volume mensal é o maior desde abril de 2015, quando houve uma única operação de follow on (oferta subsequente) da Telefônica Brasil, de R$ 16,1 bilhões.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas