Eike, de "campeão nacional" a procurado pela Interpol

Empresário deveria ter sido preso em operação da Polícia Federal que apura propina de US$ 16,5 milhões ao ex-governador do Rio, Sérgio Cabral

João Batista Natali
26/Jan/2017
  • btn-whatsapp
Eike, de "campeão nacional" a procurado pela Interpol

Eles foram dois exemplos de como não fazer política e de como funciona no mundo dos negócios a rapinagem contra o Estado..

Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro (2007-2014), está preso desde 17 de novembro de 2016. Eike Batista deveria ter sido preso nesta quinta-feira (26/01), mas está foragido, e a Polícia Federal já pediu que ele fosse localizado pela Interpol.

Cabral e Eike se cruzam por terem sido parceiros em operações de corrupção que podem ter chegado a US$ 100 milhões (R$ 318 milhões), segundo o procurador Leonardo Freitas, do Ministério Público Federal.

No maior malabarismo para a entrega de propina, o ex-governador recebeu do empresário US$ 16,5 milhões, sob a forma da compra fictícia de uma mina de ouro.

Outro cruzamento entre Cabral e Eike está no fato de ambos terem sido favorecidos pelo ex-presidente Lula.

Cabral, do PMDB, controlava sua bancada na Câmara e no Senado, com provas sucessivas de fidelidade ao Planalto. Seu principal operador era o deputado Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara e agora também preso por corrupção.

Eike, por sua vez, integrava um pequeno círculo de eleitos no meio empresarial, que Lula e o Partido dos Trabalhadores acreditavam poder integrar uma espécie de vanguarda do empresariado.

Seriam os os chamados campeões nacionais, que, para crescer, recebiam leis favoráveis, contratos com o governo e financiamentos do BNDES.

A falsa prosperidade desse modelo é exemplificada com a fotografia na qual Eike, Lula e Dilma, com uniformes de petroleiros, mancham as mãos de petróleo supostamente extraído pela OGX, que deveria se tornar a grande concorrente privada da Petrobras.

A prisão de Eike foi pedida pelo juiz Marcelo Bretas, do Rio de Janeiro, pela “necessidade de estancar imediatamente a atividade criminosa”.

Bretas comanda a segunda etapa da Operação Calicute, batizada de Eficiência, e que é um desdobramento fluminense da Lava Jato.

É ATÉ POSSÍVEL QUE EIKE NÃO VOLTE

Essa operação demonstra mais uma vez que o combate à corrupção não está circunscrito à Petrobras e à equipe do juiz Sérgio Moro, em Curitiba.

O advogado de Eike afirma que em dois dias ele se apresentará à Justiça, e que ele embarcou a negócios, na última terça-feira, num voo da American Airlines, do Rio para Nova York.

Mas a polícia teme que ele tenha planos para permanecer foragido no exterior. O embarque se deu com um passaporte alemão.

A mãe de Eike, Jutta Fuhrken, nasceu em Hamburgo. Seu pai, Eliezer Batista, foi presidente da Companhia Vale do Rio Doce e ministro das Minas e Energia.

Eike chegou a procurar espontaneamente os procuradores da Lava Jato, no final de 2016, para afirmar – foi a versão dele, na época – que havia sido vítima do ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, que lhe pediu uma “doação” de R$ 6 milhões, em caixa dois, para a campanha à reeleição de Dilma Rousseff, em 2014.

Ele disse também que foi procurado por Mônica Moura, mulher de João Santana, para cobrir despesas de campanha da ex-presidente.

Em verdade, o empresário contou apenas uma pequena parte do que sabia e acreditou que, com isso, permaneceria longe dos tentáculos da Justiça.

Seus vínculos com Sérgio Cabral, agora esclarecidos, referem-se à propina e a incentivos fiscais do Estado do Rio de Janeiro, durante o mandato do ex-governador.

Cabral teria sugerido que, além da mina de ouro fictícia, parte dessa propina fosse paga com a compra de ações de empresas brasileiras na Bolsa de Nova York.

Dos US$ 100 milhões que ele desviou, mais de US$ 80 milhões já foram recuperados pela Polícia Federal. Há entre os ativos lingotes de ouro, diamantes e joias.

UM BLEFE NO CAPITALISMO BRASILEIRO

Quanto a Eike Batista, ele foi com certeza o maior blefe da recente história do capitalismo brasileiro, acasalando a própria megalomania com a ideia ilusória de grandeza que Lula procurou dar aos empresários que lhe eram próximos.

Em 2011, no auge dessa ilusão, Eike Batista chegou a ser o homem mais rico do Brasil, com uma fortuna calculada em US$ 30 bilhões.

Ele quebrou porque suas empresas, sobretudo a OGX (petróleo e gás) não entregaram ao mercado os resultados que prometiam.

O plano consistia em explorar a Bacia de Campos com base em informações privilegiadas que teriam sido entregues por ex-engenheiros da Petrobras que ele contratou.

Com a descoberta de que o rei estava nu, as ações das chamadas “empresas X” começaram a cair. Eike tentou uma parceria com o banco BTG Pactual para recuperar a credibilidade.

O tiro de misericórdia veio em julho de 2013, quando Eike admitiu não poder cumprir as metas de exploração de petróleo.

Isso arrastou para baixo a cotação das ações de todas as demais empresas do grupo EBX. Três meses depois, o grupo deixava de pagar US$ 44,5 milhões a credores estrangeiros.

Era o final patético de um projeto desenhado para ser grandioso.

Sérgio Cabral também terminaria do mesmo jeito. Além da descoberta do imenso esquema de corrupção que chefiou, o ex-governador também é o responsável direto da imensa crise fiscal que quebrou o Rio de Janeiro, provocando a queda da qualidade ou a supressão de serviços públicos e a dependência de um plano de recuperação com o governo federal.

FOTO: José Cruz/Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas