Contas públicas têm saldo negativo de R$ 1,6 bi

Este foi o pior resultado para um primeiro semestre desde 1997. Governo diz que arrecadou menos impostos por causa da recessão econômica - mas aumentou os gastos

Agência Brasil
30/Jul/2015
  • btn-whatsapp
Contas públicas têm saldo negativo de R$ 1,6 bi

A queda na arrecadação de impostos provocada pela recessão na economia teve impacto nas contas públicas no primeiro semestre. Por outro lado, os gastos aumentaram. Com as contas no vermelho, o Brasil corre o risco de perder o grau de investimento pelas agências de classificação internacionais.

De janeiro a junho, o Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – acumulou déficit primário (saldo negativo) de R$ 1,6 bilhão. 

Em valores reais (corrigidos pela inflação oficial), o resultado é o pior para os seis primeiros meses do ano desde a criação da série histórica, em 1997.

O déficit primário representa o resultado negativo das contas públicas antes do pagamento dos juros da dívida pública.

Em junho, o Governo Central registrou déficit de R$ 8,2 bilhões, também o pior resultado para o mês em valores reais. O déficit no mês passado anulou o superávit primário (a economia para pagar os juros da dívida pública), que foi de R$ 6,6 bilhões no acumulado de janeiro a maio.

Segundo o Tesouro Nacional, a queda na arrecadação está sendo a principal causa para o desempenho negativo das contas públicas em 2015.

De janeiro a junho, as receitas líquidas caíram 3,3% descontando a inflação. As despesas totais, no entanto, ficaram estáveis, subindo 0,5%.

A estabilidade das despesas está sendo puxada pelos investimentos, que somaram R$ 27,8 bilhões nos seis primeiros meses do ano. No entanto, tiveram uma queda real (descontada a inflação) de 36,2% em relação a 2014.

Desse total, os gastos com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) somaram R$ 19,9 bilhões, com uma redução real de 36%. Outra despesa que apresentou diminuição ao considerar a inflação foi a com o funcionalismo, com queda real de 1,3%.

GASTOS DE CUSTEIO SOBEM

No entanto, outros tipos de gastos estão subindo em 2015, como o custeio (manutenção da máquina pública), com alta real de 7,3% em 2015.

Houve elevação em subsídios e subvenções, com alta real de 108,9%, impulsionada pelos financiamentos do Programa de Sustentação do Investimento, concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

SAIBA MAIS: Entenda a redução da meta fiscal

As despesas da Previdência Social acumulam alta de 3,8% acima da inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2015.

Segundo o Tesouro, o crescimento real deve-se ao reajuste médio de 8,1% no valor dos benefícios e ao aumento de 3,1% no número de benefícios pagos.

As dificuldades em cortar gastos e em aumentar as receitas fizeram a equipe econômica reduzir para R$ 8,7 bilhões, ou 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), a meta de superávit primário para 2015. Desse total, 0,10% – R$ 5,8 bilhões – correspondem ao Governo Central.

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas