Confiança empresarial é a maior desde a recessão

Índice subiu 0,9 ponto em janeiro ante dezembro, de acordo com a FGV. Melhora tem sido impulsionada pelo setor da construção e pelas expectativas em relação ao futuro, com destaque para a retomada de novas contratações

Estadão Conteúdo
31/Jan/2020
  • btn-whatsapp

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 0,9 ponto em janeiro ante dezembro, para 98,0 pontos, o maior nível desde março de 2014, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o indicador avançou 1,2 ponto, no sétimo mês consecutivo de crescimento.

"Após a terceira alta consecutiva, a confiança empresarial atinge o maior nível desde antes da recessão de 2014-2016. Nos últimos meses, o ICE tem sido impulsionado pelo setor da construção e pela melhora das expectativas em relação ao futuro, com destaque para a retomada do otimismo em relação a novas contratações", diz Aloisio Campelo Júnior, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Índice de Confiança Empresarial reúne os dados das sondagens da Indústria, Serviços, Comércio e Construção. O cálculo leva em conta os pesos proporcionais à participação na economia dos setores investigados, com base em informações extraídas das pesquisas estruturais anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a FGV, o objetivo é que ICE permita uma avaliação mais consistente sobre o ritmo da atividade econômica.

"Apesar da tendência favorável, o nível ainda baixo do índice que mede a percepção sobre a situação presente dos negócios mostra que a economia ainda precisa avançar para chegar a uma situação que possa ser avaliada pelo meio empresarial como sendo de normalidade'", completou Campelo Júnior.

Em janeiro, o Índice de Situação Atual (ISA-E) caiu 0,5 ponto, para 93,5 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE-E) subiu 0,7 ponto, para 100,9 pontos. Entre os componentes do ICE, houve melhora na confiança da Indústria, Comércio e Construção em janeiro. O resultado dos Serviços ficou praticamente estável (-0,1 ponto).

A confiança da Indústria retornou ao nível de neutralidade ao subir pela terceira vez consecutiva, desta vez em 1,5 ponto. A confiança do Comércio subiu 1,2 ponto, influenciado pela melhora das expectativas. A confiança da Construção, que vem crescendo desde junho de 2019, atingiu 94,2 pontos, o maior nível desde maio de 2014 (94,6 pontos).

Em médias móveis trimestrais, todos os setores mantiveram a tendência ascendente, segundo a FGV. A coleta do Índice de Confiança Empresarial reuniu informações de 4.384 empresas dos quatro setores entre os dias 2 e 27 de janeiro.

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas