Confiança empresarial cai para 55,8 pontos, a menor da série histórica

Crise provocada pela pandemia levou índice a despencar em abril ante março, segundo a FGV. Incerteza quanto ao futuro também piorou expectativas para os próximos três meses

Estadão Conteúdo
30/Abr/2020
  • btn-whatsapp

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) caiu 33,7 pontos em abril, chegando a 55,8 pontos, informou nesta quinta-feira (30/4), a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado é o menor da série histórica iniciada em 2001.

"A crise de saúde e seu reflexo sobre a economia levaram os índices de confiança a despencarem em abril. Chama atenção o fato de as expectativas em relação aos três meses seguintes estarem ainda piores do que as avaliações sobre a situação atual, num mês em que o nível de utilização da capacidade na indústria recuou ao menor valor dos últimos 20 anos e em que boa parte dos setores do comércio e de serviços estiveram de portas fechadas. Enquanto houver esta combinação de nível de atividade extremamente baixo e de elevadas incertezas quanto ao futuro, infelizmente, a confiança empresarial continuará muito baixa", disse Aloisio Campelo Júnior, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O Índice de Confiança Empresarial reúne os dados das sondagens da Indústria, Serviços, Comércio e Construção. O cálculo leva em conta os pesos proporcionais à participação na economia dos setores investigados, com base em informações extraídas das pesquisas estruturais anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a FGV, o objetivo é que o ICE permita uma avaliação mais consistente sobre o ritmo da atividade econômica. O Índice da Situação Atual (ISA-E) recuou 30,4 pontos em abril, para 61,5 pontos, o menor patamar da série, puxado por uma forte insatisfação com o momento atual da economia. O Índice de Expectativas (IE-E) encolheu 36,2 pontos, para 51,5 pontos, também o mais baixo já visto.

No IE-E, o componente de Demanda Prevista para os próximos três meses, caiu a 36,9 pontos, enquanto o item que mede o Emprego Previsto para os três meses seguintes recuou para 50,7 pontos. O componente de expectativas com a Situação dos Negócios nos próximos seis meses diminuiu a 59,0 pontos.

Houve piora na confiança de todos os quatro grandes setores e 49 subsetores pesquisados. As maiores perdas ocorreram nos setores da Indústria (-39,3 pontos) e Serviços (-31,7 pontos), seguidos por Comércio (-26,9 pontos) e Construção (-25,8 pontos). Em todos os setores houve deterioração tanto da situação atual quanto das expectativas.

A maior queda do ISA ocorreu no Comércio (-33,5 pontos), enquanto a maior piora do IE foi a da Indústria (-46,6 pontos). A coleta do Índice de Confiança Empresarial reuniu informações de 3.603 empresas dos quatro setores entre os dias 1º e 27 de abril.

FOTO: Pixabay

 

 

 

 

 

 

Indicadores de Crédito da Boa Vista

Índice
Mar
Abr
Mai
Demanda por crédito
0,6%
-4,3%
--
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
-1%
1,1%
--
Inadimplência do consumidor
5,1%
5,0%
7,5%
Recuperação de crédito
6,4%
1,8%
-5,6%
mais índices

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mar
Abr
Mai
IGP-M
1,1477
1,1466
1,1072
IGP-DI
1,1557
1,1353
1,1056
IPCA
1,1130
1,1213
1,1173
IPC-Fipe
1,1096
1,1226
1,1227

Vídeos

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

O advogado Igor Nascimento Souza fala sobre o Fiagro

2º Encontro "Liberdade para Empreender”

SOS Empreendedores - Crédito e negociação de dívidas

Colunistas