Confiança do setor de serviços atinge maior nível em quatro anos

Em novembro, houve melhora na confiança em 85% das 13 principais atividades pesquisadas, de acordo com a FGV

Estadão Conteúdo
29/Nov/2018
  • btn-whatsapp

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 5,1 pontos na passagem de outubro para novembro, para 93,4 pontos, na série com ajuste sazonal, de acordo cpinforma a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado representa o maior patamar desde abril de 2014, quando estava em 95,9 pontos.

Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 1,5 ponto, mantendo o sinal positivo pelo quarto mês consecutivo.

"O avanço significativo da confiança em novembro está intimamente ligado à melhora das expectativas empresariais que, por sua vez, parece refletir os efeitos do resultado do processo eleitoral", avaliou Silvio Sales, consultor do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/GV), em nota oficial.

De acordo com Sales, essa melhora no ânimo das empresas, no entanto, não altera o fato de os indicadores de confiança permanecerem ainda na faixa abaixo dos 100 pontos, o que significa, conforme ele, dizer que há o predomínio de respostas negativas sobre o ambiente de negócios.

"A confirmação da melhora na curva de confiança do setor estará, provavelmente, condicionada ao andamento do processo de transição para o novo governo", afirmou.

Em novembro, houve melhora na confiança em 85% das 13 principais atividades pesquisadas. O Índice de Expectativas subiu 8,3 pontos em novembro, para 99,4 pontos, maior nível desde de fevereiro de 2014.

A alta do IE foi a maior desde o início da série histórica da pesquisa, em junho de 2008. Houve contribuição do item que mede a tendência dos negócios, com avanço de 8,3 pontos, e do componente sobre a demanda prevista, que subiu 8,0 pontos.

Já o Índice da Situação Atual (ISA-S) cresceu 1,8 ponto em novembro, para 87,7 pontos, o maior nível desde outubro de 2014. A maior contribuição foi do item que mede o grau de satisfação com o volume de demanda atual, que avançou 2,4 pontos no mês, para 88,2 pontos.

LEIA MAIS: Setor segue em lenta recuperação

O componente que mede o ímpeto de emprego cresceu 5,0 pontos na passagem de outubro para novembro. O porcentual de empresas que informaram planejar cortes de pessoal nos próximos três meses apresentou o menor nível desde setembro de 2014.

"Como essa súbita elevação das expectativas parece estar associada à redução da incerteza que marcou o período pré-eleitoral, é preciso aguardar a evolução dos indicadores nos próximos meses, principalmente a partir do início de 2019, para confirmar a sustentabilidade dessa leitura favorável sobre o ambiente de negócios apresentada em novembro", ponderou.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) do setor de serviços caiu 0,2 ponto porcentual em novembro ante outubro, para 82,0%.

A coleta de dados para a edição de novembro da Sondagem de Serviços foi realizada entre os dias 2 e 26 do mês.

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas