Com queda nas vendas, revendas melhoram serviço nas oficinas

Pesquisa revela que índice de satisfação dos consumidores brasileiros com o pós-venda já se aproxima da pontuação conferida por americanos, britânicos e alemães

Estadão Conteúdo
06/Jul/2016
  • btn-whatsapp
Com queda nas vendas, revendas melhoram serviço nas oficinas

Com a crise que derrubou as vendas de veículos novos, principal fonte de ganhos do segmento, as concessionárias se voltaram à área de serviços na tentativa de garantir receitas.

O investimento em profissionais mais qualificados, serviços rápidos e com qualidade e conforto nas lojas começa a dar resultados, ao menos na aprovação da clientela.

A satisfação dos consumidores com o pós-venda nas redes de revendedores das montadoras brasileiras aumentou 61 pontos em relação ao ano passado na pesquisa da consultoria J.D.Power.

Numa escala até 1.000, a média do índice deste ano ficou em 780 pontos, se aproximando da pontuação dada pelos consumidores americanos (797) e acima dos britânicos (744) e dos alemães (732).

A pesquisa, conceituada globalmente, é feita todos os anos em 16 países e está em sua segunda versão no Brasil. Foram consultados no País mais de 5 mil consumidores que compraram automóveis nos últimos três anos e recorreram a serviços das revendas nos últimos 12 meses.

"Como as vendas de carro zero caíram, as concessionárias passaram a ver o pós-venda como fonte de receita e melhoraram a prestação de serviços, de olho também na fidelização do cliente"  afirma Fábio Braga, diretor da J.D.Power do Brasil.

No primeiro semestre, as vendas de automóveis e comerciais leves caíram 25% em relação a igual intervalo de 2015, somando 951,2 mil unidades, o pior resultado para o período em dez anos.

Desde janeiro, mais de 400 revendas fecharam as portas, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

ATENÇÃO

Luiz Romero Farias, vice-presidente da Fenabrave, admite que "a deficiência de caixa gerada pela queda nas vendas de veículos novos levou as empresas a redobrarem a atenção no pós-venda."

A pesquisa da J.D.Power, feita pela internet entre março e maio, avalia quesitos como agendamento do serviço, recepção quando o consumidor chega à loja, atenção e explicações do consultor técnico (inclusive sobre os preços cobrados), qualidade do reparo, "amenidades" oferecidas a quem aguarda o serviço na loja (café, água, acesso à web e até distração para as crianças), tempo de espera e a entrega do veículo.

Segundo Braga, a satisfação do consumidor quando recorre à revenda tem papel fundamental na lealdade à marca. Entre os pesquisados, 76% dos satisfeitos com os serviços afirmaram que comprariam um outro carro no local.

Braga ressalta que houve melhora significativa nas avaliações deste ano, mas afirma que ainda há muito a ser feito.

"A aprovação do cliente aumenta muito quando tem ‘amenidades’ na concessionária enquanto ele aguarda o carro, mas apenas 48% dos entrevistados afirmaram estar satisfeitos com esse tipo de serviço", diz Braga.

Outro item que conta muitos pontos é o tempo de espera para ser atendido. "A resposta é mais positiva quando esse período é de até dois minutos, mas 54% informaram que aguardaram mais do que isso", informa. A pesquisa não avalia isoladamente o preço cobrado pelo serviço.

"Com todos os escândalos que estão sendo divulgados no Brasil, o consumidor está mais atento e exige mais transparência e honestidade dos prestadores de serviços", avalia o diretor da J.D. Power.

RANKING

Pelo segundo ano seguido, a Toyota ficou em primeiro lugar na lista de consumidores mais satisfeitos. No mês passado, a marca também apareceu no topo da pesquisa da J.D.Power sobre o índice de satisfação do consumidor no processo de compra de um veículo.

Todas as 14 marcas pontuadas na avaliação do atendimentos depois da venda melhoraram performances em relação a 2015, mas algumas mudaram de posição no ranking.

A Hyundai/Caoa, por exemplo, pulou da sexta colocação para a segunda neste ano com melhora de 76 pontos na avaliação de sua rede de revendas. Já a Mitsubishi despencou do terceiro para o 11.º lugar.

A General Motors, líder em vendas no País este ano, segurou a quarta posição, enquanto a Fiat, segunda maior do mercado, ganhou uma posição e ficou em nono lugar. A Volkswagen caiu do 11.º para o 12.º lugar. A última da lista é a Renault, que saiu da 12.ª para a 14.ª posição. A Kia, que aparece em sexto lugar, não estava na lista de 2015. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas