Cartões movimentam R$ 580 bi no 1º semestre

O valor é 6,3% maior que o visto no mesmo período do ano passado

Estadão Conteúdo
25/Set/2017
  • btn-whatsapp
Cartões movimentam R$ 580 bi no 1º semestre

O setor de cartões totalizou R$ 580 bilhões no primeiro semestre, montante 6,3% maior que o visto no mesmo período do ano passado, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs).

O número de transações, considerando tanto os plásticos de débito quanto de crédito, alcançou 6,4 bilhões, alta de 7,1%, na mesma base de comparação.

Do total, 3,5 bilhões foram na modalidade débito e 2,9 bilhões com cartões de crédito.

"Acreditamos que o cartão de débito continuará sendo mais utilizado seja por conta do processo de inclusão financeira seja por acesso a crédito", avaliou o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), Fernando Chacon.

Do total movimentado por cartões na primeira metade do ano, os cartões de crédito somaram R$ 354 bilhões, aumento de 5,1% ante idêntico intervalo do ano passado.

Já os plásticos de débito registraram R$ 226 bilhões, aumento de 8,4%, na mesma base de comparação.

DESEMPENHO

A expectativa da Abecs para o desempenho do setor de cartões neste ano é de alta de 5,5% a 7,5% em relação a 2016.

O segmento, de acordo com Chacon, deve entrar em expansão e retomar o avanço de dois dígitos no ano que vem.

"Esperamos encerrar o ano de 2017 já perto dos dois dígitos de crescimento. Com o crescimento da economia no ano que vem, de 2% a 3%, melhora do comércio e substituição dos meios de pagamentos, esperamos encerrar 2018 com expansão de dois dígitos", diz.

Ele diz que a volta aos dois dígitos de expansão, após dois anos de apenas um dígito de crescimento, deve ser motivada mais pela substituição dos meios de pagamentos do que de aumento de base.

"A despeito das dificuldades do Produto Interno Bruto (PIB), o setor de cartões continua forte e dando sinais de que vai contribuir para o crescimento e retomada da economia brasileira", diz.

De acordo com Chacon, a tendência da inadimplência do cartão é de queda. Ao final de junho, o indicador estava em 7,4% ante 5,7% da carteira de crédito à pessoa física.

Na primeira metade do ano, de acordo com a Abecs, o setor de cartões totalizou R$ 580 bilhões, montante 6,3% maior que o visto no mesmo período do ano passado.

Do total, os cartões de crédito somaram R$ 354 bilhões, aumento de 5,1% ante idêntico intervalo do ano passado. Já os plásticos de débito registraram R$ 226 bilhões, aumento de 8,4%, na mesma base de comparação.

No segundo trimestre, o setor de cartões movimentou R$ 295 bilhões, alta de 6,7% em um ano. A participação dos cartões no consumo das famílias chegou a 28,5% ao final de junho, acima de igual intervalo do ano passado, de 27,9%.

Tal aumento, conforme a Abecs, reflete a substituição dos meios de pagamento no Brasil, com os consumidores usando mais cartão que dinheiro ou cheque.

FOTO: Thinkstock

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas