Boeing vai controlar joint com Embraer

A Boeing terá o controle operacional e de gestão da nova empresa formada com a Embraer no segmento de aviação comercial

Estadão Conteúdo
05/Jul/2018
  • btn-whatsapp
Boeing vai controlar joint com Embraer

A joint venture entre Embraer e Boeing, anunciada na manhã desta quinta-feira (5/07) como um acordo não-vinculante, deve ser fechada até o final de 2019.

Essa é a expectativa das companhias, em comunicado em conjunto, frisando que se as aprovações ocorrerem no tempo previsto, a conclusão se dará entre 12 a 18 meses após a execução dos acordos definitivos.

Conforme o acordo não-vinculante anunciado hoje, a Boeing deterá 80% e a Embraer, 20%, em uma operação avaliada em US$ 4,75 bilhões -dos quais a Boeing pagará US$ 3,8 bilhões.

Após os acordos definitivos, a parceria estará, então, sujeita a aprovações regulatórias e de acionistas, incluindo o governo brasileiro que detém uma ação especial (Golden share).

A Boeing terá o controle operacional e de gestão da nova empresa formada com a Embraer no segmento de aviação comercial.

"Ao formarmos essa parceria estratégica, estaremos muito bem preparados para gerar valor significativo para os clientes, empregados e acionistas de ambas as empresas - e para o Brasil e os Estados Unidos", afirma o presidente, chairman e CEO da Boeing Dennis Muilenburg.

Uma vez consumada a transação, será formada a equipe de gestão, sediada no Brasil, incluindo um presidente e CEO, com reporte diretamente a Muilenburg.

A parceria deve ser contabilizada nos resultados por ação da Boeing no início de 2020, e a expectativa é de que gere sinergia anual de custos de cerca de US$ 150 milhões (antes de impostos) até o terceiro ano.

Ainda conforme o comunicado, a transação não terá impacto nas projeções financeiras da Boeing e da Embraer para 2018, "bem como na estratégia de implantação de capital e no compromisso da Boeing de retornar cerca de 100% do fluxo de caixa livre para os acionistas."

LEIA MAIS: São José dos Campos aumenta dependência do setor aeronáutico

A Boeing considera que a nova sociedade se tornará um dos centros de excelência para o desenvolvimento de projetos, fabricação e manutenção de aeronaves comerciais de passageiros, e que ambas estarão aptas a oferecer uma linha "abrangente e complementar" de aeronaves de passageiros de 70 a mais de 450 assentos, além de aviões de carga. O comunicado lembra que são mais de 20 anos de colaboração entre Boeing e Embraer.

"Esse acordo com a Boeing criará a mais importante parceria estratégica da indústria aeroespacial, fortalecendo ambas as empresas e sua posição de liderança do mercado mundial", declarou o presidente e CEO da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva na mesma nota.

"A combinação de negócios com a Boeing deverá gerar um novo ciclo virtuoso para a indústria aeroespacial brasileira, com maior potencial de vendas, aumento de produção, geração de emprego e renda, investimentos e exportações, agregando maior valor para clientes, acionistas e empregados".

FOTO: Divulgação

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas