Boa Vista: registros de inadimplentes recuam em outubro, na 4ª queda seguida

Segundo o birô de crédito, a melhora do mercado de trabalho é o fator que mais contribui para a queda

Redação DC
27/Nov/2023
  • btn-whatsapp

Os registros de inadimplentes na base de dados da Boa Vista diminuíram 0,9% em outubro, na comparação com setembro, mês que já havia registrado queda de 3%, também na variação mensal. Os números têm abrangência nacional e foram dessazonalizados.  

Na comparação interanual, os registros de inadimplentes caíram 12,9%. No resultado acumulado em 12 meses os registros continuam desacelerando, passando de 13,7%, em setembro, para 10,3% na aferição atual.  

Com relação ao resultado do acumulado no ano, o indicador registrou aumento de 6,9% em comparação ao mesmo período do ano passado. Também houve desaceleração nesta base de comparação, tendo em vista que em setembro o resultado da análise acumulada no ano era de alta de 9,1%.

  

"Este foi o quarto recuo consecutivo no indicador, algo que já era esperado em função da melhora que tem sido observada mês a mês nos fatores condicionantes, com destaque para os números de emprego”, diz Flávio Calife, economista da Boa Vista.

Ainda segundo ele, a taxa de desemprego continua recuando e “têm até surpreendido o mercado, uma vez que essa resiliência do emprego não tem exercido pressão sobre a inflação e gerado dúvidas sobre qual seria a taxa neutra de emprego para a economia brasileira neste momento.”

RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO

O Indicador de recuperação de crédito da Boa Vista avançou 2,7% na comparação mensal. Já em relação ao mês de outubro do ano passado, houve mais um aumento robusto de 27,9% e isso contribuiu para manter a curva de longo prazo do indicador em ritmo acelerado: o crescimento da recuperação de crédito passou de 20,9% para 21,2% entre os meses de setembro e outubro na análise acumulada em 12 meses. 

No mesmo sentido, no acumulado do ano a recuperação de crédito também acelerou seu ritmo de crescimento e apresentou elevação de 19,8% contra o mesmo período de 2022.  

“Naturalmente o indicador de recuperação continuou respondendo ao avanço das renegociações por meio do ‘Desenrola’. No mês de outubro, quando teve início a segunda fase do programa, o valor das dívidas elegíveis era de R$ 151 bilhões e após os descontos elas foram repactuadas para um valor de aproximadamente R$ 25 bilhões. Sem dúvida essa foi a principal etapa do programa, de modo que nos próximos meses a recuperação pode vir a ceder um pouco em termos de crescimento”, diz o economista da Boa Vista. 

 

IMAGEM: Freepik

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Conheça os projetos que buscam requalificar o Centro de SP

Os impactos da IA no mercado de trabalho

Confira como foi a festa dos 100 anos do DC