BC corta juros após 3 anos e reduz Selic a 13,25% ao ano

A redução de 0,50 ponto porcentual foi maior que a projetada pelas instituições financeiras, que previam os juros em 13,50%

Estadão Conteúdo
02/Ago/2023
  • btn-whatsapp

Apontado pela equipe econômica e pelo Planalto como o "grande vilão" da economia neste ano devido à manutenção dos juros altos, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu finalmente iniciar o processo de redução da taxa Selic, com um corte mais agressivo, de 0,50 ponto porcentual, de 13,75% para 13,25% ao ano.

O movimento, tão aguardado pelo governo - que hoje intensificou a pressão pela queda de juros -, por empresários e, mais recentemente pelo mercado financeiro, ocorreu em uma decisão dividida, como já era esperado, na estreia de Gabriel Galípolo e Ailton Aquino no comitê.

A redução ocorre exatamente 12 meses depois de o BC elevar a taxa Selic pela última vez para combater uma inflação até então bastante persistente. Desde então, os juros básicos estavam parados em 13,75% ao ano.

De lá para cá, a inflação acumulada em 12 meses cedeu de 10,07% para 3,16% - abaixo do centro da meta deste ano (3,25%).

O início do ciclo de afrouxamento monetário ainda acontece três anos após o último corte de juros no Brasil. Também em agosto de 2020, a autoridade monetária definiu a queda para Selic a 2,0%, mínima histórica, no contexto da pandemia de covid-19.

Entre as instituições financeiras, a queda de 0,25 ponto porcentual, para 13,50%, era a aposta predominante.

JUROS REAIS

Mesmo com a primeira redução na Selic, o Brasil permanece no posto de "campeão" de juros reais -descontada a inflação - (7,54%) do mundo, considerando o levantamento do site MoneyYou com 40 economias.

Nas contas do BC, o juro neutro, que não acelera nem alivia a inflação, é de 4,5%.

A taxa real brasileira está bem acima de México (6,64%) e Colômbia (6,15%), que vêm logo na sequência na lista. A média das 40 economias é de 0,84%.

Em junho, no último Copom, a maioria dos membros do BC já indicava haver condições de baixar de forma "parcimoniosa" a Selic em agosto, caso o processo de desinflação continuasse, com impacto em expectativas - o que ocorreu.

Por outro lado, o processo de alta de juros segue em curso em países desenvolvidos, há resiliência da atividade econômica no Brasil e as expectativas de inflação ainda estão desancoradas.

No último Boletim Focus, as projeções para o IPCA de 2024, foco da política monetária, e de 2025, que tem peso minoritário, cederam de 4,00% para 3,89% e de 3,80% para 3,50% em relação ao Copom anterior, respectivamente.

O centro da meta para os dois anos é de 3,00%. A expectativa para este ano agora é de 4,84% - 0,09pp acima do teto da meta (4,75%) -, contra 5,1% na pesquisa anterior ao encontro de junho.

 

IMAGEM: Freepik

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas