Autorizações de débito serão vinculadas por contrato

Mudança, que começa a valer em maio de 2020, segundo o BC, deve ser autorizada pelo cliente com finalidade restrita para dar mais autenticidade à operação e vale inclusive para o desconto de parcelas de financiamento ou leasing para evitar

Redação DC
20/Dez/2019
  • btn-whatsapp
Autorizações de débito serão vinculadas por contrato

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprimorou regras sobre autorizações para débito em conta. Com a nova regulamentação, para a realização de débitos em conta de depósitos e em conta-salário, as instituições financeiras deverão obter prévia autorização do titular da conta.

Essa autorização deverá ter finalidade específica e conter, entre outras informações, a discriminação da conta a ser debitada. Desse modo, o débito ocorrerá somente nas contas específicas informadas pelos titulares e com finalidade restrita.

O objetivo da mudança, que começa a valer em maio de 2020, é aumentar a transparência nas autorizações fornecidas pelos clientes, evitando autorizações genéricas e de amplos poderes. Além disso, para fomentar a eficiência e a competitividade no Sistema Financeiro Nacional, estabeleceu também procedimentos para as autorizações concedidas por meio de instituições não detentoras de contas de depósito.

A medida faz parte da Agenda BC#, nas dimensões Transparência e Competitividade. “Verificamos que havia espaço para aperfeiçoar a regulamentação em vigor, em particular no que concerne aos requisitos de transparência e de clareza dos procedimentos das instituições", afirma Otávio Damaso, diretor de Regulação do Banco Central. "Além disso, tendo em conta os novos entrantes não detentores de contas de depósitos, faz-se necessária uma regulação que propicie um ambiente de negócios mais favorável à competição”, completou. 

A medida vale inclusive para o caso de débito automático de parcelas de financiamento ou arrendamento mercantil (leasing). Nesses casos, a autorização terá que ser vinculada a cada contrato.

Nas operações de crédito, a autorização para débito em conta deverá conter manifestação inequívoca do cliente em relação à eventual opção de realização de débitos sobre limite de crédito previamente disponibilizado para ele, se houver. O CMN também proibiu a realização de débitos para liquidação de parcelas de operações de crédito que impliquem em adiantamento a depositantes.

As autorizações de débito em conta encaminhadas por outras instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central (instituição destinatária) deverão ser feitas por meio de sistema eletrônico, que deverá ter procedimentos de controle que confirmem a identidade do titular da conta e assegurem a autenticidade da operação.

Por fim, os titulares das contas poderão, a qualquer tempo, cancelar as autorizações de débito. Esse cancelamento poderá ser feito inclusive para as autorizações de débito relativas a operações de crédito mas, nesse caso, poderá implicar em novo cálculo do valor das parcelas a vencer, conforme seja estabelecido no respectivo contrato.

FOTO: Divulgação

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas